Algoz do Brasil, China vence Sérvia de virada e fica com o ouro no vôlei feminino

Estadão Conteúdo

De virada, a China venceu a final do torneio feminino de vôlei dos Jogos do Rio contra a Sérvia e levou para casa sua terceira medalha de ouro em Olimpíadas. Com concentração e paciência, a equipe chinesa que eliminou as brasileiras nas quartas de final foi superior à potência ofensiva da Sérvia em toda a partida, fechada em 3 sets a 1, de virada, com parciais de 19/25, 25/17, 25/22 e 25/23, na noite deste sábado. O bronze ficou com os Estados Unidos, em partida disputada no início da tarde derrotou a Holanda, também por 3 a 1.
Tomado por bandeiras vermelhas, o Maracanãzinho foi palco de uma bela festa da eufórica torcida chinesa com o resultado, inesperado para a seleção que começou a competição desacreditada. A equipe estreou na competição com três derrotas consecutivas na fase de grupos, perdendo até mesmo para a Sérvia por 3 sets a 0. A partir das quartas de final, quando obteve o surpreendente triunfo sobre o Brasil, a equipe ganhou confiança e cresceu apostando todas as fichas na potência ofensiva de Ting Zhu, considerada uma das melhores jogadoras do torneio.
O começo errante exigiu paciência e uma estratégia milimetricamente desenhada pela técnica Ping Lang. Maior atleta do esporte na história da China, eleita a melhor jogadora do século passado, ela somou mais um ouro à sua coleção de medalhas olímpicas - como jogadora subiu ao topo do pódio em Los Angeles-1984 e depois foi prata no comando da China em Atlanta-1996 e bronze ao bater os Estados Unidos em Pequim-2008. Atenta às estratégias adversárias, ela soube montar em sua jovem seleção uma rara força defensiva, capaz de neutralizar as adversárias.
Na contramão, a Sérvia teve campanha consistente durante todo o torneio, tendo perdido apenas para os Estados Unidos e Holanda na primeira fase. A equipe eliminou da competição a Rússia nas quartas de final e também os Estados Unidos, um dos grandes favoritos ao ouro olímpico, nas semifinal. Embalada pelos resultados, a equipe sérvia chegou à final determinada a vencer na força as rivais, e dominou o primeiro set com saques agressivos sobre uma fraca defesa da China.
Mas o que parecia desatenção era, na verdade, a paciência e observação características da campanha chinesa. A partir do segundo set, após analisar a posição e as estratégias de ataque adversário, as chinesas passaram a impor seu ritmo de jogo, com firmeza de bloqueios e recepções capazes de neutralizar a ofensiva sérvia. Na terceira etapa, as Sérvias voltaram à carga, mas sem a mesma eficácia no saque e com muitos erros de ataque, com bolas fora.
As chinesas foram mais consistentes em todos os fundamentos e souberam finalizar embaladas pela vibração e euforia da torcida a cada ponto. As sérvias ainda tentaram atrair a torcida dos brasileiros, mas, em um Maracanãzinho lotado por chineses, foram vaiadas.
No quarto set bastante disputado, a Sérvia ainda se manteve viva e manteve o jogo empatado até o 23º ponto. Porém, com um match point na mão em 24/23, a China aproveitou uma recepção ruim de um saque e sacramentou a vitória com uma cortada da atacante Ting Zhu. O ponto decisivo foi embalado pelos gritos de "olê, olá, China, China" da torcida, deixando para trás o rancor contra as algozes da seleção brasileira.