PM apreende adolescente suspeito de matar libanês em Belo Horizonte

Edward Mamo foi morto na última quarta (29) durante assalto no Serrano

O Tempo

Edward vivia no Brasil desde 2014 e tentava conseguir a cidadania brasileira

Foi apreendido pela Polícia Militar (PM) na noite desta terça-feira (5), no bairro Conjunto Confisco, região da Pampulha, um adolescente de 16 anos suspeito de matar o libanês Edward Mamo, de 26 anos.
O crime aconteceu na última quarta-feira (29), no bairro Serrano, região Noroeste de Belo Horizonte. A vítima foi abordada pelo menor e mais dois assaltantes quando estava em seu carro na rua Sami Sirihal. Por não entender o sotaque da vítima, o rapaz atirou no peito de Edward e o trio fugiu em seguida.
De acordo com o tenente Robson, do Grupo Especializado de Policiamento em Áreas de Risco (Gepar), a PM realizou diversas operações nos últimos dias, no Serrano, com o intuito de localizar os criminosos. Na segunda-feira (4), eles receberam a informação de que o atirador residia no Conjunto Confisco, onde trabalhava para o tráfico de drogas.
“Durante um patrulhamento nesta terça, encontramos na região da Pampulha um sujeito com as mesmas características do principal suspeito. Ele estava com drogas e, no momento da abordagem, confessou que atirou no libanês”, contou o tenente.
Segundo Robson, o adolescente disse que já pretendia se entregar à polícia. “Ele afirmou que por ser menor acabaria se apresentando a alguma delegacia de qualquer maneira para confirmar sua participação no crime”.
Os outros dois suspeitos ainda não foram encontrados pela PM. A equipe do Gepar foi até um matagal, no Serrano, onde o adolescente teria escondido a arma utilizada para matar Edward Mamo, no entanto, eles não a localizaram.
O adolescente foi encaminhado ao Centro Integrado de Atendimento ao Adolescente Autor de Ato Infracional (CIA), na rua Rio Grande do Sul, na área central de BH.
O crime
Mesmo fluente no idioma que o acolheu, o boletim de ocorrência (B.O.) da PM aponta que, no dia do crime, provavelmente por causa do nervosismo, Edward não teria conseguido entender ou se fazer entendido pelos assaltantes. Conforme a polícia, o crime aconteceu por volta das 22h30, quando Edward estava em um Peugeot preto parado na rua Sami Sirihal na companhia de uma conhecida.
Os suspeitos se aproximaram com a intenção de levar o veículo e ameaçaram as vítimas com uma arma. Edward começou a indagar os assaltantes, que pediam as chaves do veículo. Ao perceber que não conseguiriam levar o carro, um deles atirou duas vezes para o alto e, por fim, atirou contra o peito da vítima.
A mulher que estava com Edward no carro conseguiu socorrê-lo e levá-lo até a UPA Santa Terezinha, mas ele não resistiu ao ferimento e acabou morrendo na unidade.
Cidadania brasileira
Filho de pai cristão e mãe muçulmana, Edward é considerado apátrida, ou seja, não foi reconhecido como cidadão de nenhum país - sem pátria. Diferente do Brasil, no Líbano, nascer no território não o torna automaticamente parte daquela nação. Por isso, junto a seus dois irmãos, ele partiu em busca de um lugar onde pudesse se sentir acolhido e veio para o Brasil em 2014. Segundo uma amiga, que prefere não ser identificada, o país foi o único em que ele foi aceito e se sentiu parte de uma nação, embora ainda tivesse planos de voltar para a sua terra algum dia.

No Brasil, Edward conseguiu tirar seus documentos de estrangeiro, como uma identidade, e passou a trabalhar em uma casa de vinhos, enquanto aguardava pela chance de conseguir oficialmente uma cidadania brasileira. Em um evento libanês na capital mineira, ele e seus irmãos conheceram uma família que decidiu abrigá-los, tornando-se assim, a sua família no Brasil.