Operação da PF desarticula esquema que desviava R$ 2 mi ao ano na UFV

Foi empregado um total de 70 policiais federais na execução de 15 mandados de busca e apreensão, dois mandados de prisão preventiva, oito mandados de condução coercitiva, além de interrogatórios e exames periciais

O Tempo

Servidores da instituição podem responder por peculato e associação criminosa

A Polícia Federal (PF) deflagrou, nesta quarta-feira (20), a operação Recanto das Cigarras, para instruir investigação criminal que apura condutas de servidores públicos da Universidade Federal de Viçosa (UFV), na Zona da Mata que estariam envolvidos em desvios de recursos custeados pelo Programa Nacional de Assistência Estudantil (PNAES) da União.
Os levantamentos começaram em junho de 2016, revelando a existência de suposto grupo de funcionários que, há anos, em reiteradas condutas, estaria causando substancial prejuízo à Universidade Federal ao se apropriar e desviar gêneros alimentícios dos estoques, armazéns e do próprio Restaurante Universitário do campus Viçosa. Estimativas de colaboradores apontam que o esquema teria desviado, em média, dois milhões de reais ao ano.
Para o cumprimento das ordens judiciais expedidas pela Justiça Federal de Viçosa, foi empregado um total de 70 policiais federais na execução de 15 mandados de busca e apreensão, dois mandados de prisão preventiva, oito mandados de condução coercitiva, além de interrogatórios e exames periciais. Os conduzidos foram levados à base de operações da PF, instalada na UFV, onde todos serão interrogados.
Além do afastamento compulsório das atividades funcionais e da restrição de acesso à Universidade, os investigados podem responder por peculato e associação criminosa, cujas penas cominadas são de reclusão de 2 a 12 anos e de 1 a 3 anos, respectivamente, sem prejuízo de futura responsabilização disciplinar e por improbidade administrativa.