Irmão de Bruno apontou localização do corpo de Eliza Samudio

À pedido da Polícia Civil do Rio de Janeiro, corporação do Piauí colheu depoimento de Rodrigo Fernandes das Dores de Sousa, 27, que se encontra preso no Estado por estupro

O Tempo 

Desde o desaparecimento de Eliza Samudio, em 2010, dezenas de buscas sem resultado já foram realizadas

Poucos dias após completarem seis anos do desaparecimento da modelo Eliza Samudio, um novo depoimento volta a trazer à tona a possibilidade do corpo da jovem estar no interior de Minas Gerais. Desta vez, a informação sobre a localização do corpo veio do irmão do ex-goleiro Bruno Fernandes, Rodrigo Fernandes das Dores de Sousa, 27, que se encontra preso no Piauí acusado de estupro. Até o momento a possível localização dos restos mortais não foi divulgada.
Conforme a Polícia Civil do estado nordestino, que não precisou a data ou o local onde o depoimento foi colhido, o detento foi ouvido à pedido da Polícia Civil do Rio de Janeiro, que mantém uma investigação sobre o  caso. “Foi feito um pedido por meio de uma carta precatória. Não sei o teor da investigação, mas algumas perguntas já vieram elaboradas pela corporação de lá (Rio)”, explicou o delegado geral da polícia do Piauí, Riedel Batista, na tarde desta segunda-feira (4).
Ainda de acordo com o policial, Sousa teria revelado várias situações envolvendo o desaparecimento de Samudio. “Falou de pessoas que poderiam ter envolvimento e, também, de possíveis locais de encontro destes restos mortais. As informações foram todas repassadas para a polícia do Rio, que irá checar a veracidade do que foi dito”, disse Batista.
A polícia do Piauí também não soube informar o que teria motivado o pedido dos colegas cariocas. “É de conhecimento público que este irmão residia no Estado e havia sido preso. Não posso afirmar, mas acredito que o pedido tenha sido feito somente com base neste grau de parentesco”, acredita o delegado geral.
Procurada por O TEMPO para prestar esclarecimentos sobre a investigação que corre no Estado, a Polícia Civil do Rio de Janeiro não se posicionou até o momento. Já a Polícia Civil mineira garantiu que o depoimento não  tem relação com os inquéritos da corporação, que já foram todos encerrados.
Entretanto, na tarde desta segunda-feira a Polícia Civil de Minas recebeu, na Delegacia Especializada de Cartas Precatórias  (Polinter), um comunicado da polícia do Rio afirmando que o depoimento do irmão do ex-goleiro teria relação com o caso de Eliza. Agora, a corporação aguarda o documento com o depoimento completo que será encaminhado pela polícia do Piauí. A definição quanto aos procedimentos que serão feitos só acontecerá após a chegada deste documento.
Sousa está preso desde setembro de 2015 no Centro de Detenção Provisória de Altos, a 42 km ao norte de Teresina, após cumprimento de mandado de prisão preventiva por crime de estupro.
Relembre
A modelo, que já havia acusado em 2009 o ex-goleiro de tê-la agredido e tentado forçá-la a fazer um aborto, desapareceu junto de seu filho, Bruninho, em 2010. A família de Eliza fez a denúncia à imprensa no dia 26 de junho daquele ano.
Desde então já foram realizadas pelo menos 12 buscas em diversos locais diferentes do Estado. Entre eles o sítio do ex-goleiro, em Ribeirão das Neves, na região metropolitana de BH; em uma lagoa na divisa da cidade com Contagem, também na grande BH; na casa e no sítio do ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, em Vespasiano e Esmeraldas; na Lagoa do Nado, na capital mineira; e em um lote vago próximo ao aeroporto de Confins, local apontado por um primo de Bruno.
O crime, apesar do corpo nunca ter sido encontrado, já teve diversos condenados pela Justiça, entre eles o ex-goleiro Bruno, que cumpre pena de 22 anos, seu amigo Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, condenado a 15 anos de prisão, e Bola, também condenado a 22 anos de prisão pelo homicídio da modelo.
Com agências