Estado diz que precisa de ajustes para inaugurar Samu no Centro-Oeste

Previsão era que serviços iniciassem em junho.
Cisurg diz que falta repasse de R$ 4 milhões e custeio mensal. 

Central de Regulação do Samu será em Divinópolis (Foto: G1)

A inauguração do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) que atuará na região Centro-Oeste foi adiada pela terceira vez, segundo o Consórcio Intermunicipal de Saúde da Região Ampliada Oeste (Cisurg). A previsão era de que o serviço tivesse início em junho, entretanto, por falta de assinaturas de ordem de serviços por parte do Estado, os atendimentos ainda não começaram. Não há nova previsão de inauguração.
De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES) a inauguração só não ocorreu ainda devido a alguns processos que ainda não foram totalmente finalizados. A SES declarou também que aguarda disponibilidade de recursos para o custeio mensal do serviço. "É preciso que seja liberado o valor restante para conclusão de compra de equipamentos para as bases decentralizadas e equipamentos das ambulâncias e é preciso que haja liberação de custeio mensal do serviço", declarou o secretário executivo do Consórcio, José Márcio Zanarde.
O Consórcio Intermunicipal de Saúde da Região Ampliada Oeste , que é responsável pela implantação do serviço no Centro-Oeste de Minas foi fundado há dois anos. A previsão inicial era de que até mês de março o Samu fosse inaugurado e em seguida a previsão passou para junho. "Está tudo encaminhado e  falta apenas essa posição do estad, destacou Zanard.
Samu no Centro-Oeste
O secretário executivo do Consórcio, José Márcio Zanarde, deu detalhes do investimento, metodologia, logística de atendimento, além da área de cobertura do serviço. De acordo com ele, a capacitação dos 480 funcionários do serviço foi finalizada em maio deste ano, incluindo médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e condutores socorristas. Mais de 130 profissionais também são treinados para o cadastro reserva.

Funcionários sendo treinados para atuação no Samu (Foto: G1) 
Funcionários sendo treinados para atuação no
Samu (Foto: G1)
Bases descentralizadas
Os 480 profissionais trabalharão na área de cobertura que compreende 54 municípios da região de saúde do Centro-Oeste. Já as bases decentralizadas do Samu, onde ficarão as ambulâncias, estão localizadas em 23 municípios, sendo eles: Divinópolis, Pitangui, Arcos, Cláudio, Itapecerica, Luz, Campo Belo, Oliveira, Bom Despacho, Bambuí, Dores do Indaiá, Formiga, Candeias, Carmópolis de Minas, Santo Antônio Monte, Santo Antônio do Amparo, Itaguara, Itaúna, Pará de Minas, Nova Serrana, Martinho Campos, Pimenta e Lagoa da Prata. "A cobertura é bem  ampliada e se estende para os 54 municípios,  o que equivale a uma população total de 1.195.499 habitantes, integrados ao Consórcio", destacou Zanarde.

Ambulância do Samu. Centro-Oeste receberá serviço (Foto: Márcio Ferreira/Agência Minas) 
Ambulância do Samu serão entregues em maio
(Foto: Márcio Ferreira/Agência Minas)
Ambulâncias
Estão sendo disponibilizadas para cada base, uma ambulância do tipo Unidade de Suporte Básico (USB), tripulada por dois técnicos de enfermagem e um condutor socorrista. Além desses veículos há também sete Unidades de Suporte Avançado (USA), tripuladas por um médico, um enfermeiro e um condutor socorrista. Estas unidades serão destinadas a Divinópolis, Luz, Campo Belo, Oliveira, Formiga, Nova Serrana e Itaúna. O secretário executivo do consórcio explica que as cidades foram escolhidas com base em estudos.

“Esses municípios além de terem a ambulâncias do tipo USB terão também unidades do tipo USA. A logística dessa distribuição de ambulâncias foi feita para que se situem em pontos estratégicos, de forma que o tempo entre a chamada recebida pelo 192 e a chegada da ambulância, demore no máximo 40 minutos em qualquer ponto da região Centro-Oeste", disse.
movimento estrada rodovia MG-050 Ano Novo Réveillon Divinópolis MG (Foto: Reprodução/TV Integração) 
Estradas foram estudadas para distribuição de
ambulâncias (Foto: Reprodução/TV Integração)
Para a escolha também foram levadas em consideração as estrada, acessos, rodovias e estradas rurais, além do perfil epidemiológico de cada município. "Temos um índice no Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus), chamado Mortalidade por Causas Externas e um dos itens desse índice é o acidente de trânsito. Levamos em consideração esses números para designar a USA, de modo que ela possa dar uma cobertura não apenas naquele município onde ela se encontra, mas nos demais do entorno", disse.
De acordo com o gerente de logística do Cisurg, Dárcio Lemos, todas as ambulâncias que serão entregues contam com comunicação via web, telefone e GPS, e farão os atendimentos de urgência médica, clínica e de acidentados.
Somente sete ambulâncias foram entregues, faltam agora 24 veículos. Elas foram adquiridas pelo Estado e serão doadas ao Consórcio, como aponta Márcio.
Base do Samu em Pitangui   (Foto: G1) 
Falta pintura na base do Samu em Pitangui
(Foto: G1)
Bases prontas
Todas as bases que receberão o Samu estão prontas, como garentem os responsáveis pelo Cisurg. Falta apenas a montagem dos móveis e equipamentos.

Zenard disse que a Central de Regulação em Divinópolis foi uma das primeiras a ficar prontas. A cidade contará ainda com uma segunda base. Uma delas será a própria Central de Regulação, na Praça Pedro Xisto Gontijo, nº 550 e a outra na Unidade de Pronto Atendimento  (UPA) Padre Roberto. "Esses locais contarão com três ambulâncias, duas de suporte básico e uma de suporte avançado", afirmou.
A base de Arcos foi entregue em março e de acordo com informações da Prefeitura, o imóvel foi especialmente reformado e recebeu alguns equipamentos para o funcionamento da base. Todo material para implantação do Samu custou R$ 7.076.279,61, verba destinada pelo Estado através de um convênio com o Consórcio."Entretanto, falta ainda o repasse de R$ 4 milhões", destacou Zenerde.
Tempo de implantação
Quando questionado sobre a o prazo para implantação do sistema ter ocorrido em dois anos, o secretário executivo avalia que o prazo está dentro da normalidade, já que há mais de 54 cidades envolvidas.

"Nós iniciamos esse processo através dos gestores de saúde no final de 2013. O Consórcio tem uma estrutura complicada do ponto de vista que foi preciso organizar documentos, passar a lei da entrada do serviço nos municípios. A logística foi complexa por envolver essas 54 cidades. A fundação ocorreu em fevereiro de 2014 e as atividades foram iniciadas em abril. Foi um processo de fato demorado, para que fosse feito da melhor forma e para que fosse prestado um serviço adequado aos usuários que por ventura irão precisar", disse.
Além disso, ele destacou que foi preciso ser realizado o concurso público para a contratação do pessoal que passa atualmente por treinamento. "A duração desse treinamento é de cinco semanas, começou no dia 25 de abril e termina 27 de maio", destacou Zanard.
Hospital Regional Divino Espírito Santo em Divinópolis MG (Foto: Patrícia Rodrigues/PMD) 
Hospital Regional está com 80% das obras prontas
Divinópolis  (Foto: Patrícia Rodrigues/PMD)
Hospital Regional
Zenard contou que quando o Cisurge começou a ser implantado, a expectativa dos responsáveis era de que até o fim do processo o Hospital Regional, que está sendo construído em Divinópolis estivesse pronto. Entretanto a unidade não foi finalizada e está com 80% das obras físicas concluídas, como informou a Prefeitura na última sexta-feira (29).

"A unidade contaria com um Pronto Socorro Regional e isso seria de grande valia para destinação de alguns pacientes. Mesmo com todas as vantagens do Hospital São João de Deus (HSJD) ele não tem suporte suficiente para dar o atendimento necessário como um hospital polivalente, que seria o Regional", destacou.
"Tínhamos exceptiva de que o Regional estivesse pronto de fato. Mas independente de estar pronto ou não, a proposta do Samu não é simplesmente pegar o pacientes e levá-lo até o hospital. A proposta é que os profissionais das unidades prestem atendimento pré-hospitalar para que o paciente chegue à unidade de saúde onde ele será atendimento. As ambulâncias têm essa qualificação. O paciente será atendido no local e será então levado para unidade. Esse será o grande ganho da população. Esse pré-atendimento vai garantir a sobrevivência e evitar sequelas graves", completou Zenard.
Parte da coorporação feminina em Divinópolis (Foto: Anna Lúcia Silva/G1) 
Samu será parceiro da Corporação do Corpo de
Bombeiros (Foto: Anna Lúcia Silva/G1)
Parceria com Corpo de Bombeiros
O Cisurge será conveniado ao Corpo de Bombeiros e isso significa que haverá cooperação mútua entre os órgãos, cujo objetivo é a integração dos serviços referente à coordenação dos atendimentos das ocorrências de urgência e emergência pré-hospitalares.

“Os bombeiros é claro, não perdem suas funções. A proposta é que teremos dois bombeiros dentro da sala de regulação com um oficial. Eles estarão juntos no atendimento do 192 , mas estarão atendendo ainda o 193 e definindo as ações de atendimento com a coordenação médica do Samu. Serão duas forças juntas”, explicou.
“O Samu dará atendimento hospitalar e o Corpo de Bombeiros fará atendimentos relativos às suas competências. Como por exemplo, em um acidente envolvendo carros com vítimas presas às ferragens. Não temos profissionais qualificados para cortar o carro por exemplo, e neste caso a função dos bombeiros é fundamental”, concluiu.

Fonte: G1