A eleição para a presidência da Câmara dos Deputados hoje promete bater recorde de candidaturas. Até o final da tarde de ontem, 11 deputados já haviam formalizado o registro para disputar o mandato tampão até fevereiro de 2017, quando o presidente afastado da Casa, Eduardo Cunha, deixaria o cargo. Os interessados em disputar a vaga têm até o meio-dia de hoje para fazer se inscreverem.
A eleição está marcada para começar as 16 horas de hoje e deve entrar pela madrugada de quinta-feira. Até uma hora antes do pleito, os candidatos inscritos podem desistir de concorrer à vaga. A Câmara usará urna eletrônica na eleição de seu novo presidente. Conforme estabelece o regimento da Casa, o voto será secreto.
Um sorteio definirá a ordem dos candidatos na votação, e essa sequência também valerá para a ordem dos discursos no plenário. Cada candidato terá 10 minutos para pedir o voto dos colegas.Para ser eleito, o deputado precisará da maioria absoluta: 257 votos. Caso ninguém consiga atingir esse número, haverá segundo turno. Em caso de empate, tanto no primeiro quanto em um eventual segundo turno, a disputa será decidida obedecendo aos seguintes critérios: maior número de mandatos e parlamentar mais idoso.

Os candidatos com maior chance são Rodrigo Maia (DEM-RJ) - não havia registrado a candidatura até o início da noite de ontem, Rogério Rosso (PSD-DF) e o ex-ministro da Saúde Marcelo Castro (PMDB-PI). 
O presidente interino, Michel Temer, afirmou que a decisão da bancada peemedebista de lançar candidatura própria para a sucessão da Câmara dos Deputados demonstra que o governo federal não tem interferido na disputa parlamentar. 
Em uma derrota do Palácio do Planalto, a bancada do partido do presidente interino decidiu apoiar o nome de Marcelo Castro (PMDB-PI), ex-ministro de Dilma Rousseff, para o comando da Casa Legislativa. 
O governo interino trabalhava para que a sigla não lançasse candidatura própria, evitando pulverizar ainda mais a disputa parlamentar na base aliada, mas não teve êxito. 
A escolha do nome foi recebida com irritação pelo presidente interino, que vê com desconfiança a proximidade de Marcelo Castro com o PT, partido de oposição ao governo federal. 
O receio de assessores e auxiliares presidenciais é de que a candidatura tenha surgido de um jogo combinado do peemedebista com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 
O presidente interino da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão (PP-MA), disse ontem acreditar que o bom senso vai prevalecer na eleição para a Presidência da Câmara, segundo informou a Agência Câmara.
“O ideal nem sempre nós temos”, afirmou, ao ser questionado por repórteres se não seria ideal, para o governo do presidente interino da República, Michel Temer, que houvesse um número menor de postulantes ao comando da Câmara. “O bom senso vai prevalecer. A Casa precisa se reencontrar e contribuir cada vez mais para o país. É um bom momento para avaliação, para compreender que o Brasil é maior do que a crise”, declarou.
Sobre o grande número de candidatos, Maranhão também comentou: “A democracia permite que todos se manifestem, que todos desejem (disputar o cargo). Esta Casa é plural”.
Confira os candidatos: