Atentado de Nice faz vítimas de várias nacionalidades

AFP
 
Além dos franceses, pessoas de várias nacionalidades foram mortos na noite de quinta-feira (14)
 
Além dos franceses, pessoas de várias nacionalidades foram mortos na noite de quinta-feira (14) no atentado de Nice, no sul da França, que deixou 84 mortos e dezenas de feridos, 18 em estado crítico.
Seguem as origens das primeiras vítimas não francesas identificadas:
- Três alemães, um professor e duas alunas ensino médio, de acordo com o Ministério de Relações Exteriores da França.
- Dois americanos, de acordo com o porta-voz do Departamento de Estado, John Kirby.
De acordo com o jornal texano Austin American-Statesman, as vítimas são Sean Copeland, de 51 anos, e seu filho Brodie, de 11. Moradores do Texas, eles estavam passando férias em família em Nice, depois de uma estadia na Espanha, em Barcelona e Pamplona.
-Uma mulher suíça, de acordo com o Ministério de Relações Exteriores do país, que não forneceu mais detalhes. De acordo com a agência suíça ATS, o município de Caslano, da região do Ticino, no sul da Suíça, confirmou a morte de uma mulher de 54 anos.
-Uma mulher russa também perdeu a vida no atentado, informou o Ministério de Relações Exteriores da Rússia no Facebook.
-O ataque também matou uma mulher armênia, de acordo com um comunicado do Ministério de Relações Exteriores do país.
-O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia anunciou a morte de um cidadão do país, sendo que outro foi ferido.
O Ministério de Relações Exteriores da Bélgica informou que está sem notícias de cerca de vinte cidadãos do país.
Entre os dezenas de feridos, foram registrados um britânico e dois romenos, sendo que ambos foram internados, de acordo com as autoridades do país.

Mohamed Lahouaiej-Bouhlel é suspeito de ter avançado com seu caminhão na noite de quinta-feira contra uma multidão reunida no Passeio dos Ingleses

Policiais investigam a cabine do motorista do caminhão que se jogou sobre uma multidão de pessoas que comemoravam a data nacional da França, em Nice

As forças de segurança inspecionaram nesta sexta-feira (15) a suposta residência do homem que na noite de quinta-feira (14) matou em Nice com seu caminhão ao menos 84 pessoas, e que foi descrito por seus vizinhos como "solitário" e "silencioso".


Mohamed Lahouaiej-Bouhlel, de 31 anos e nascido na Tunísia, não tinha a aparência de uma pessoa religiosa e frequentemente era visto de bermuda, conta Sébastien, um vizinho do edifício de quatro andares onde nesta sexta-feira a inspeção foi realizada.
Outra vizinha, Alexia, disse à AFP que falou apenas uma vez com ele, quando cortou um medidor elétrico errado.
Uma família numerosa, que também vive no mesmo prédio, afirmou que o jovem nunca os cumprimentava. No térreo, Anan disse que não confiava nele porque "olhava com muita insistência para suas duas filhas".
A varredura, em um bairro popular do leste da cidade, começou às 09h30 locais (04h30 de Brasília) na presença de policiais de elite fortemente armados. Ela contou com a participação de membros da polícia técnica e científica.
Ao meio-dia, as forças de ordem bloquearam a rua e pareciam estar vasculhando com a ajuda de um cachorro, a 100 metros do edifício, um pequeno caminhão com as duas portas traseiras abertas. Durante a operação foi ouvida uma pequena explosão, constatou a AFP.
Mohamed Lahouaiej-Bouhlel é suspeito de ter avançado com seu caminhão na noite de quinta-feira contra uma multidão reunida no Passeio dos Ingleses para ver os tradicionais fogos de artifício de 14 de julho, aniversário da Queda da Bastilha.
Durante dois quilômetros, atropelou as pessoas que estavam em seu caminho e matou ao menos 84.