Transportadores se reúnem com BR Distribuidora para discutir greve


Em encontro na parte da manhã, representantes do governo assumiram o compromisso de criar um grupo de trabalho para debater e buscar soluções para as demandas da categoria

O Tempo

Posto de gasolina na avenida Cristiano Machado fica "fechado" devido a falta de gasolina e álcool, em reflexo da greve de transportadoras de combustíveis

Os transportadores de combustíveis se reuniram na tarde desta quinta (23), com a BR Distribuidora, para discutir pagamento de vale-pedágio e diárias, entre outros benefícios que possam reduzir as despesas da categoria. Logo mais, também se encontrarão com outras distribuidoras. Essas reuniões podem definir os rumos da greve, que começou na madrugada da última terça-feira e já está provocando desabastecimento nos postos da região metropolitana de Belo Horizonte e do interior do Estado.

Nesta quinta-feira (23) pela manhã, os representantes do Sindicato dos Transportadores de Combustíveis e Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (Sinditanque-MG) se reuniram com o governo mineiro, que assumiu o compromisso de criar um grupo de trabalho para debater e buscar soluções para as demandas, que incluem a redução da alíquota de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS)  sobre o diesel, de 15% para 12%.

Desde terça-feira (22), vários postos já registram falta de combustível. Em alguns deles, o aumento da demanda fez o preço subir, como um posto da avenida Amazonas, no Nova Suíça, que elevou a gasolina de R$ 3,39 para R$ 3,59. Na Cristiano Machado, altura do número 8.000, um outro posto teve que fechar, pois os estoques já estavam zerados.

Entre as reivindicações do setor estão: reajuste do valor do frete; redução da carga tributária e do PIS/Cofins; recebimento da diária por hora parada; recebimento do vale-pedágio; incentivos para a modernização da frota; melhoria da malha rodoviária; entre outros. Desde o início da paralisação, centenas de caminhões-tanque estão parados nas portarias das distribuidoras localizadas nas imediações da Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Betim, e nas garagens das transportadoras. Portanto, um movimento pacífico, sem piquetes nas portarias das distribuidoras ou impedimentos de vias.