Sobe para 18 o número de mortos em acidente na Mogi-Bertioga na noite desta quarta-feira (8)

Ônibus fretado com estudantes capotou no km 84 da rodovia por volta de 22h45 

A Tribuna

Após capotar, ônibus ficou completamente destruído (Foto: Folhapress)

As vítimas moram em São Sebastião e faziam o trajeto diariamente para estudar em Mogi das Cruzes, região metropolitana de São Paulo, nas Universidades de Mogi das Cruzes (UMC), Braz Cubas (UBC), e também na ETEC da cidade.

De acordo com informações da Polícia Civil, os corpos serão enviados para os IMLs de Guarujá e Mogi das Cruzes. A unidade de Santos também poderá receber alguns corpos. Em entrevista à rádio CBN, o delegado Fábio Pierry, que conduz as investigações sobre o acidente, informou que, por enquanto, as causas do acidente estão sendo apuradas.

“O trabalho da polícia agora é de investigação sobre o que teria motivado o acidente. Infelizmente, a pessoa por onde partiríamos a investigação, que é o motorista, também faleceu no acidente. Muitos feridos não sabemos para onde foram. Também há relatos de outros óbitos, mas precisamos ainda cruzar as informações para prestar assistência”, comentou. 

Estudantes eram das Universidades UMC, UBC e da ETEC de Mogi das Cruzes (Foto: Divulgação)

As vítimas moram em São Sebastião e faziam o trajeto diariamente para estudar em Mogi das Cruzes, região metropolitana de São Paulo, nas Universidades de Mogi das Cruzes (UMC), Braz Cubas (UBC), e também na ETEC da cidade.

De acordo com informações da Polícia Civil, os corpos serão enviados para os IMLs de Guarujá e Mogi das Cruzes. A unidade de Santos também poderá receber alguns corpos. Em entrevista à rádio CBN, o delegado Fábio Pierry, que conduz as investigações sobre o acidente, informou que, por enquanto, as causas do acidente estão sendo apuradas.

“O trabalho da polícia agora é de investigação sobre o que teria motivado o acidente. Infelizmente, a pessoa por onde partiríamos a investigação, que é o motorista, também faleceu no acidente. Muitos feridos não sabemos para onde foram. Também há relatos de outros óbitos, mas precisamos ainda cruzar as informações para prestar assistência”, comentou. 

Ainda conforme o delegado, a área onde ocorreu o acidente é um ponto de alta velocidade, com declive grande. “Será realizada perícia no ônibus, mas será difícil atestar se houve problema na barra de direção do veículo ou algum problema no freio porque o ônibus está muito danificado. Ele se desintegrou no acidente”.

O ônibus seguia em comboio, com outros três veículos, pelo km 84, na divisa entre os municípios de Mogi das Cruzes e Bertioga, quando perdeu o controle e invadiu a pista contrária.

Segundo apurou a Reportagem, ele foi se arrastando até cair em uma vaga ao lado da pista e bater contra um imenso rochedo, vindo a capotar e cair em um barranco. O veículo ficou completamente destruído. Pedaços do coletivo e objetos dos estudantes ficaram espalhados pela pista.

O ônibus, que pertence à empresa União do Litoral, é um dos seis que a Prefeitura de São Sebastião disponibiliza para o transporte de moradores da cidade a universidades de Mogi das Cruzes.

Conforme informações da Prefeitura, ele transportava estudantes que moravam entre os bairros Barra do Sahy e Boraceia.

Até a manhã de hoje, os corpos das vítimas ainda não tinham sido identificados. 

Ônibus fazia o transporte de estudantes de São Sebastião (Foto: Folhapress) 
Por pouco
Enquanto o resgate era feito após o acidente, houve um outro acidente no local do capotamento do ônibus. Um caminhoneiro perdeu o controle da carreta que dirigia e chegou a atingir quatro veículos dos órgãos que prestavam socorro no local. Ninguém se feriu, mas a carreta ficou destruída.

“Ele (motorista do caminhão) não conseguiu frear e, quando chegou próximo ao local do acidente, viu as luzes das viaturas e, para não colidir e atropelar os bombeiros e policiais no local, jogou o caminhão em cima de algumas viaturas que estavam paradas. Ele praticamente achatou uma viatura do Corpo de Bombeiros, que ficou prensada no local. Por sorte, não havia nenhum soldado dentro. Por um acaso não morreram profissionais de saúde e da segurança”, completou o delegado.