Sindicatos dos policias civis de Minas Gerais suspendem greve temporariamente

Decisão foi tomada após uma determinação do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) que considerou a paralisação ilegal

O Tempo

O Sindicato dos Servidores da Polícia Civil do Estado de Minas Gerais (Sindpol/MG) e o Sindicato dos Delegados da Polícia do Estado de Minas Gerais (Sindepominas) confirmaram na tarde desta quinta-feira (23) a suspensão temporária da greve dos policiais civis.
A decisão foi tomada após uma determinação do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) que  considerou a paralisação ilegal e determinou que os servidores retomem imediatamente o trabalho, sob a penalidade de multa diária de R$ 350 mil, para caso de descumprimento.
Segundo o documento, a atitude dos sindicatos é abusiva, pois eles iniciaram a greve sem estabelecer um cronograma de negociação e, com isso, prejudicaram as pessoas que dependem dos serviços prestados pela categoria, como os atendimentos no Instituto Médico Legal (IML) e no Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran). A ação coletiva foi promulgada nesta quarta-feira (22) em 2ª instância no Cartório de Feitos Especiais do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais pelo desembargador Alberto Vilas Boas.
Sobre a suspensão, o Sindepominas comunicou que não trata-se de um cancelamento definitivo da greve, mas sim, algo temporário, que será discutido em assembleia geral no próximo dia 29 de junho, às 8h30, na sede do Sindicato, na rua Guajajaras. "Pretendemos definir as ações em razão da notificação judicial", informou o sindicato.
No mesmo dia 29, está marcada uma audiência de conciliação no Palácio da Justiça para discutir sobre a criação de um grupo de trabalho que vai tratar das equiparações salarais reivindicadas pelos sindicatos.
Já o Sindpol informou que a paralisação ficará suspensa até o dia 30 de junho, quando eles discutiram os resultados da audiência de conciliação do dia anterior. O sindicato também comunicou  que pretende tomar providências providências judiciais cabíveis para a reforma desta medida cautelar nas instâncias Superiores, com vistas à retomada do movimento, para maior e melhor negociação com o Governo. A assembleia geral do dia 30 de junho acontecerá a partir das 14h, no pátio da Assembleia Legislativa de Minas Gerais.
A reportagem de O Tempo entrou em contato com a Secretaria de Estado de Governo (Segov) que informou que a audiência de conciliação está mantida para o dia 29 de junho e só depois disso poderá ter alguma resposta sobre negociação entre as partes.