Roubo obriga aluno a deixar celular e outros eletrônicos em casa

Diante de série de assaltos a vans escolares, motoristas pedem que estudantes não levem aparelhos; em apenas uma semana, ao menos cinco crimes foram registrados em BH

O Tempo

Insegurança. Motoristas temem pela segurança de crianças e adolescentes transportados pelas vans

Após o registro de ao menos cinco assaltos a vans escolares em um período de apenas uma semana em Belo Horizonte, o sindicato da categoria recomendou que os alunos deixem seus celulares e outros aparelhos eletrônicos em casa. Na busca por segurança, a entidade também passará a indicar o pagamento das mensalidades por meio de boleto, para reduzir o montante de dinheiro levado pelos estudantes.
“Estamos orientando que a rede Wi-Fi seja retirada de vans e que, se o aluno levar o celular, não o use dentro do veículo”, afirmou Carlos Eduardo Campos, presidente do Sindicato dos Transportadores de Escolares de Belo Horizonte e da Região Metropolitana (Sintesc-MG).
O último caso aconteceu ontem, quando o motorista Júlio Cesar, 42, foi o quinto condutor a ser assaltado. Seis celulares foram roubados de alunos, que têm entre 14 e 16 anos. “Meu maior medo era que um aluno reagisse e ele atirasse”, contou.
Cesar trafegava pela avenida Nilo Peçanha, no bairro Santa Cruz, na região Nordeste, quando dois homens em uma moto ordenaram que ele parasse o veículo. Armado, um deles abriu a porta da van e roubou os celulares. “Ele não queria mochilas, só os celulares”, completou Cesar. O crime aconteceu por volta das 6h. Dez adolescentes estavam dentro do transporte e iam para a Escola Estadual Maestro Villa Lobos, no Santo Agostinho, na região Centro-Sul.



Patrulhamento. 

Ontem, o Sintesc-MG se reuniu com a Polícia Militar para discutir o problema. A corporação prometeu aumentar o patrulhamento. O chefe da sala de imprensa da PM, capitão Flávio Santiago, recomendou que motoristas, pais e escolas formem uma rede de proteção para a prevenção do crime, nos moldes da Rede de Vizinhos Protegidos. 

Motoristas

Frota. A região metropolitana da capital tem hoje 4.000 motoristas de vans escolares, de acordo com o sindicato da categoria. Belo Horizonte concentra 1.400 desses profissionais.

Outros casos

Assaltos. Na última segunda-feira, duas vans foram assaltadas em BH, uma no bairro Nazaré, na região Nordeste da capital, e outra no Acaiaca, na mesma região. Houve ainda outro crime registrado no bairro Nazaré.
Colégio Militar. Na última semana, uma van com estudantes do Colégio Tiradentes, da PM, foi assaltado no bairro União, também na região Nordeste.

Tecnologia é aposta para prevenção

Para inibir os assaltos a vans escolares e aumentar a segurança, o Sindicato dos Transportadores de Escolares de Belo Horizonte e da Região Metropolitana (Sintesc-MG) vai adiantar a instalação de câmeras nos veículos, além de disponibilizar um aplicativo.
A ferramenta Transkid será de graça e permitirá que os pais acompanhem o trajeto das vans. “O objetivo é que esses alunos só saiam na porta das escolas ou de casa quando a van estacionar no local”, explicou o presidente do sindicato, Carlos Eduardo Campos.
Na próxima terça-feira, às 8h, uma reunião para discutir os crimes será realizada na sede do 16º Batalhão da PM, com presença de vereadores, motoristas, polícia e Guarda Municipal. (AD)