Polícia Militar prende segundo suspeito do homicídio que aconteceu no último domingo (19), em uma lanchonete em Divinópolis/MG



(Foto reprodução TV Candides)
 
Na tarde desta terça-feira (21), em continuidade das diligencias para identificação/prisão dos autores do latrocínio ocorrido no último domingo (19), em uma lanchonete em Divinópolis, com subsídio do serviço de inteligência, Viaturas em cumprimento a Mandados de Busca e apreensão, abordaram três suspeitos que estavam de posse de um cigarro de maconha.
Entre eles estaria Talles Yan Tasso 21 anos, suspeito de ser um dos autores do latrocínio.
De acordo com a polícia, os outros dois suspeitos que estavam na companhia do Talles no momento da prisão, não teriam participação no crime.
Polícia Militar conseguiu prender Talles Yan Tasso, após o primeiro envolvido, que foi preso na noite de ontem entregar o comparsa. O delegado Marco Antônio Noronha confirmou que o jovem preso hoje é suspeito de participar do latrocínio que ocorreu no último domingo.
 (Foto Polícia Militar/Divulgação)

Talles já tem envolvimento com o tráfico de drogas e quando menor ficou detido três meses na Fundação Centro de Atendimento Socioeducativo ao Adolescente, após ter matado o próprio pai a tiros.

Relembre o caso, que na época foi noticiado pelo Portal O Tempo. Leia a matéria na integra.

Com dois tiros certeiros, um no peito e outro nas costas, um adolescente de 17 anos matou o próprio pai por não aceitar ser chamado a atenção, segundo a Polícia Militar. O crime aconteceu na noite do dia 03/02/2012, em Divinópolis, na região Centro-Oeste do Estado, após o cabeleireiro James Welter de Tasso, de 45 anos, descobrir o envolvimento do filho com drogas.

O pai tinha um salão na cidade, onde era muito conhecido. Uma moradora de Divinópolis, que não quis ser identificada, afirmou que ele era muito gentil e querido por todos.

De acordo com o subtenente Carlos Antônio da Silva, pai e filho estavam se desentendendo desde que Tasso descobriu a ligação do filho com traficantes, há um mês. Segundo o subtenente, o pai voltava para casa depois de um dia de trabalho, quando foi surpreendido pelo filho ao abrir a garagem. Tasso foi atingido por dois tiros e chegou a ser socorrido, mas não resistiu e morreu antes de chegar ao hospital.

O menor fugiu na moto do pai, mas foi apreendido na madrugada de sábado em um bar próximo ao local do homicídio. "Ele confessou o assassinato e informou onde estava a arma usada no crime", disse o policial. O acusado disse ainda que matou por estar cansado de apanhar.

Na época a delegada responsável pelo caso Maria Gorete Rios informou que ainda não é possível afirmar se o filho teria planejado o assassinato. No entanto, no inquérito testemunhas relatam que, um dia antes do crime, o menor teria dito ao pai: "Não tenho mais nada para falar com você não.
Você já era. A minha encomenda já chegou". Para a delegada, possivelmente ele se referia a uma arma. O menor foi encaminhado para o Centro Socioeducativo, onde aguarda sentença da Vara da Infância e Juventude. Ele pode ficar detido por, no máximo, três anos.