Polícia fala sobre investigações de latrocínio e homicídio em Divinópolis

Crime em lanchonete e morte de mulher no trânsito foram temas.
Reunião envolveu representantes da Acasp, PM e Polícia Civil.

Polícia Civil falou sobre as investigações em coletiva com a imprensa (Foto: Reprodução/TV Integração)

A Polícia Civil falou na manhã desta quarta-feira (22), sobre o latrocínio de Vera Lúcia dos Santos Pugas, de 44 anos, ocorrido no último domingo (19) em uma lanchonete de Divinópolis e sobre o homicídio de Daniela Mesquita Chaves, de 36, morta no sinal de trânsito no dia 31 de maio. Os crimes violentos na cidade foram comentados durante um encontro feito pela Associação Comunitária para Assuntos de Segurança Pública (Acasp) onde também participou a Polícia Militar (PM).
Latrocínio em lanchonete
Sobre o crime de domingo, o delegado responsável pelo caso, Marco Antônio Noronha, disse que as investigações seguem e destacou que três dos quatro suspeitos presos pela Polícia Militar (PM) foram liberados por falta provas, mas continuam sob investigação.

Noronha disse que os possíveis suspeitos, com idades entre 20 e 21 anos, foram detidos pelos militares na terça-feira (21), depois que um jovem de 23 anos foi preso noite de segunda (20) por posse ilegal de arma de fogo e de substância entorpecente. Segundo o delegado, inicialmente o jovem de 23 disse para a Polícia Militar os nomes de alguns dos suspeitos de envolvimento. Contudo, posteriormente o jovem negou a informação. "Durante depoimento na Polícia Civil ele negou a denúncia", ressaltou Noronha. Dos três detidos e liberados, dois têm passagens por homicídio e tráfico de drogas. "Eles foram liberados porque não temos provas contra eles neste crime, mas continuam sendo investigados", acrescentou.
Ainda em depoimento, o jovem de 23 anos negou qualquer participação no crime da lanchonete. Por causa da posse irregular de arma de fogo e da droga, o jovem foi preso e continua no Presídio Floramar.
Ação na lanchonete
Após o crime, os policiais tiveram acesso às imagens do circuito interno de segurança da lanchonete, que mostra o momento em que dois criminosos encapuzados entram no estabelecimento no Bairro Nossa Senhora das Graças.

Os criminosos foram em direção aos caixas e roubaram todo o dinheiro. Neste instante, quando estavam distraídos, uma vítima correu para dentro do banheiro e trancou a porta. Em seguida, um dos assaltantes também foi em direção ao banheiro. Uma outra mulher também se levantou e o assaltante que estava armado efetuou um disparo em direção a ela.
De acordo com informações da Polícia Militar (PM), a mulher foi atingida no pescoço e chegou a ser socorrida para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), mas não resistiu aos ferimentos.
A PM confirmou a possibilidade de uma terceira pessoa que estava em um veículo do lado de fora do estabelecimento estar aguardando os dois assaltantes para a fuga e pediu para que a população colabore caso tenha alguma informação sobre os criminosos através dos telefones 190 ou 181.
Prisão de jovem
O jovem de 23 anos detido no dia 20 de junho foi dado como suspeito pela PM após os militares receberem informações de que suspeitos de envolvimento no crime estariam em uma residência na Rua Bruxelas. Diante das informações, os policiais foram ao local e abordaram o jovem.

Ainda segundo a PM, foram realizadas buscas na casa do rapaz, onde foram localizadas uma espingarda cartucheira e uma bucha de maconha. Para polícia ele negou envolvimento na morte da vítima, mas de acordo com a polícia ele ficou nervoso e entrou em contradição várias vezes.

Em seguida, o rapaz foi encaminhado para Delegacia de Polícia Civil, onde teve a prisão ratificada por posse ilegal de arma de fogo e substância entorpecente. Foi no local que inicialmente o jovem deu nomes de outros possíveis envolvidos no crime.
Criminoso cercou o veículo e atirou contra a vítima (Foto: Reprodução/TV Integração) 
Criminoso cercou o veículo e atirou contra
a vítima (Foto: Reprodução/TV Integração)
 
Morte de Daniela Mesquita
Sobre a morte de Daniela Mesquita, o delegado regional Leonardo Pio, destacou que as investigações estão em andamento e que não podem comentar o caso para não atrapalhar as investigações.

Daniela foi morta ao sair de casa com a família para ir ao supermercado, na noite do dia 31 de maio, no Bairro Niterói. A Polícia Militar divulgou que um criminoso se aproximou do veículo onde ela estava com o marido e o filho e efetuou o disparo. A mulher chegou a ser levada para o hospital, mas não resistiu ao ferimento.

Os militares contaram que a vítima foi atingida no peito. Ela estava no banco do passageiro. "A informação que chegou para a PM foi que o veículo onde ela estava parou na ponte do Bairro Niterói em um sinal, no sentido Centro e, nesse momento um indivíduo desceu de uma moto e realizou um disparo", disse o aspirante da PM, Diogo Lopes.

O marido ainda levou a companheira ao Hospital São Judas Tadeu. Segundo os médicos, a mulher chegou com vida a unidade. Ela estava consciente e ainda conversando. Minutos depois, no entanto, ela sofreu uma parada cardíaca. Durante meia hora, a equipe médica tentou reanimá-la, mas a vítima sofreu uma outra parada cardíaca e não resistiu.

Fonte: G1