Polícia conclui inquérito sobre morte de fã que tentou matar Hickmann

Resultado da perícia será apresentado em coletiva, nesta sexta-feira (17)

O Tempo

A Polícia Civil de Minas Gerais concluiu o inquérito que investiga as circunstâncias da morte de Rodrigo Augusto de Pádua, 30 anos, que invadiu um hotel de luxo em Belo Horizonte e tentou matar a apresentadora Ana Hickmann. O fato ocorreu no dia 21 de maio deste ano, na região sul da capital mineira.
Nesta sexta-feira (17), o resultado das investigações será apresentado em coletiva pelo delegado Flávio Grossi.
Relembre
O caso, que ganhou repercussão nacional, aconteceu na tarde do último sábado (21) no hotel Caesar Business, no bairro Belvedere, na região Centro-Sul da capital mineira. Pádua rendeu o cunhado de Ana, Gustavo Henrique Bello, no elevador e o obrigou a levá-lo até o quarto da modelo no 9º andar.
 
Lá, o homem manteve a artista, o cunhado e cunhada, Giovana Alves de Oliveira, sob a mira de um revólver. Durante o tempo em que esteve na suíte, Pádua xingou a artista e atirou. O tiro acertou Giovana, que foi socorrida e encaminhada ao Hospital Biocor, onde segue internada.
 
Após os disparos, o fã e o cunhado de Ana entraram em luta corporal. Durante a briga, Bello baleou o homem por três vezes, sendo duas na nuca e uma no braço. Nesse domingo (22), em entrevista ao programa “Domingo Espetacular”, da Rede Record, a apresentadora contou os momentos de pânico durante o tempo em que esteve com o fã.
 
“Ele apontou exatamente na direção da minha cabeça e puxou o gatilho. Eu perdi a noção do meu corpo e caí para cima do colo da minha cunhada”, disse.
 
Uma gravação feita pelo cabeleireiro que atenderia a artista é possível ouvir o homem gritar com Ana. “Eu sou um ser humano, cretina, você partiu meu coração. Você duvidou do amor que eu tinha”, dizia, com a arma apontada para a modelo.