Polícia Civil de Pará de Minas apresenta casal que se passava por Policiais Civis para aplicar golpes

Fonte: JC Notícias

Foram apresentados na manhã desta terça-feira na Delegacia de Polícia Civil de Pará de Minas, o casal Fernando Carlos Fonseca e Valércia Aparecida Martins, ambos de 40 anos, que foram presos no distrito de Justinópolis em Ribeirão das Neves em Belo Horizonte.
A dupla é suspeita de praticar estelionato e formarem associação criminosa por aplicaram golpes em diversas vítimas na cidade de Pará de Minas e região.
De acordo com as investigações, Fernando se identificava como “Ricardo, investigador da Polícia Civil de Pará de Minas” ou como “Ricardo detetive" oferecendo produtos para serem adquiridos pelas vítimas solicitando pagamento do valor por meio de depósito bancário.
Os crimes foram praticados em coautoria com Valércia, que, em certos casos, figurava como a outra voz que aparecia de fundo para dar aspectos de legitimidade ao diálogo, se passando por delegada.


imagemDurante entrevista coletiva, Fernando Carlos de Fonseca, se diz arrependido e pede desculpa a cooporação da Polícia Civil e policiais no Estado de Minas Gerais:
Clique e ouça Fernando Carlos

O estelionatário diz que praticou o crime devido a  crise financeira e que precisava de dinheiro para pagar contas. Com relação as vítimas ele alega ter faturado com o golpe apenas cerca de R$ 2 mil:

Clique e ouça Fernando Carlos
imagem
Já Valércia não quis muita conversa e afirma que não sabia de nada. Sobre o relacionamento com Fernando ela conta que agora está terminado e jura ser inocente:
Clique e ouça Valércia Aparecida
 

 
 
imagem
Em conversa com a nossa reportagem, o inspetor Ricardo de Carvalho, que teve seu nome usado pelos estelionatários ressalta o bom trabalho realizado pela equipe da Polícia Civil de Pará de Minas:
Clique e ouça Ricardo Carvalho
 

 
 
imagemDe acordo com o delegado Cesar Augusto de Freitas, as vítimas começaram a ir a Delegacia inclusive procurando pelo inspetor Ricardo para reclamar sobre as mercadorias que elas eventualmente tivessem comprado:

Clique e ouça César Augusto

O delegado César Augusto, acredita que a dupla tenha aplicdo o mesmo golpe em outras diversas cidades do estado, uma vez, que além dos chips de telefone usdo pelos infratores, foram encontrados na residência do casal diversos catálogos telefônicos de várias cidades:

Clique e ouça César Augusto

O delegado regional de polícia, Carlos Henrique Bueno aproveita a oportunidade para chamar a atenção das pessoas com relação a este tipo de golpe.

imagemSegundo o delegdo a Polícia Civil não faz solicitações de dinheiro ou de algum equipamento pra a população por meio de telefone:

Clique e ouça Carlos Henrique

De acordo com a polícia, as investigações duraram dois meses e a estimativa é de que cerca de 20 empresários da região tenham caído no golpe. Fernando Carlos Fonseca era foragido da Justiça, ele foi preso anteriormente também pelo crime de estelionato.

A estimativa é de que o golpe tenha gerando prejuizo para as vítimas em torno de R$ 50 mil. A Polícia Civil agora segue nas investigações para apurar o envolvimento de outras pessoas no crime.