Novo golpe faz vítimas no Facebook e WhatsApp, leia mais

Criminosos invadem perfis e pedem depósitos a amigos do usuário

A Tribuna

Na última quarta-feira (15), uma fonoaudióloga de Santos recebeu a ligação de um amigo perguntando se ela estava conversando com ele, naquele momento, por meio do Facebook. Ao dizer que não, a mulher foi alertada que alguém estava usando o perfil dela na rede social para pedir, via mensagem privada, uma transferência bancária. 
Ela tentou entrar em sua conta, sem sucesso – a senha havia sido alterada. Mais tarde, a fonoaudióloga conseguiu redefinir a senha e teve um susto: o criminoso entrou em contato com mais de 20 amigos dela.
“Tenho preocupação com coisas relacionadas a banco, mas nunca imaginei que o Facebook poderia ser uma fonte para alguém tirar dinheiro de outra pessoa. Isso é muito grave. Há perigo onde eu não fazia a menor ideia”, diz ela.
Criminosos invadem conta de usuário e pedem dinheiro a conhecidos da vítima (Foto: Alexsander Ferraz) 
Neste caso, a desconfiança do amigo foi fundamental para o golpe ser descoberto rapidamente. Ainda assim, houve tempo para o sobrinho da vítima acreditar e fazer duas transferências, de R$ 460,00 e de 340,00. Segundo ele, a relação próxima com a tia evitou qualquer desconfiança.

“As redes sociais entram na nossa vida de uma maneira tão natural, estamos acostumados a usar no dia a dia. A gente não imagina que assim como (bandidos) invadem uma casa, um estabelecimento, vão invadir um perfil e se passar por outra pessoa. Agora não confio nem mais na minha mãe, se ela mandar mensagem me pedindo um favor vou ligar para confirmar”, afirma ele, que registrou boletim de ocorrência.
Nesse caso, o invasor deu contas em três bancos para os amigos da fonoaudióloga, incluindo nomes e CPFs. A Tribuna apurou que uma dessas contas é de uma agência na Bahia. Se passando pela fonoaudióloga, o criminoso disse que teve o cartão bloqueado e precisava fazer uma transferência urgente, mas que devolveria dinheiro no dia seguinte. 
Responsabilidade
Em nota, o Facebook diz que manter as pessoas e suas informações protegidas é a responsabilidade mais importante da empresa, que oferece “a melhor tecnologia de proteção e encriptação de dados” e “ferramentas de denúncia em cada conteúdo postado”. 
O Facebook afirma ajudar a proteger as contas e disponibilizar auxílio imediato, por meio da Central de Ajuda, para quem acredita que teve sua conta ou página invadida.

Whatsapp

A mesma situação aconteceu, também esta semana, com pedagoga santista Renata Curti, mas no aplicativo Whatsapp. “Fiquei sem sinal no celular,umas 19 horas, mais tarde o Whatsapp também travou (pela internet sem fio). Foi quando meu pai desconfiou que meu telefone havia sido clonado. Mas a operadora só me atendeu para cancelar a linha umas 23h30. Nisso ele (o golpista) já tinha entrado em três grupos meus e falou com uma amiga minha”.
Se passando por ela, o criminoso perguntou, nos grupos, quem tinha conta em determinado banco, porque precisava de uma transferência. As pessoas desconfiaram, mas técnica em investimentos Rebeca Gonçalves, amiga de Renata há mais de 10 anos, foi chamada no particular e transferiu R$ 500,00.
“Acreditei que era ela e fiz em consideração à nossa amizade, mandei até o comprovante. Falou normalmente comigo, perguntei até se ela iria no meu aniversário e respondeu”, explica que Rebeca, que registrou a queixa na Polícia Civil.
A Reportagem entrou em contato com o Whatsapp, que informou não comentar casos específicos.