Hoje em Dia
 
Levir Culpi já havia retornado a Belo Horizonte no jogo contra o América. Mas na noite desta quarta-feira (1), foi recepcionado com respeito e carinho por parte da torcida do Atlético. Emocionado com o tratamento afetuoso (até mesmo dos jogadores alvinegros), o técnico retornará ao Rio de Janeiro com um ponto na bagagem. O Galo até saiu na frente do placar no começo do jogo, mas cedeu o empate e foi incapaz de criar oportunidades para alcançar a vitória.
Com o 1 a 1 no placar (gols de Tiago e Gustavo Scarpa), o alvinegro segue sem vencer sob o comando do técnico Marcelo Oliveira, acumulando seis pontos em cinco rodadas disputadas. O próximo compromisso é diante do Sport, domingo, em Recife.
COMEÇO EMPOLGANTE E AVENIDA NA ESQUERDA
Ainda convivendo com uma coleção de desfalques, o Atlético precisou superar as próprias limitações e começou o jogo de forma surpreendente. Logo nos primeiros minutos de duelo, o contestado zagueiro Tiago aproveitou cruzamento de Patric para abrir o placar no Horto.
Na comemoração, o autor do gol vibrou de forma contida, sabedor das críticas que lhe pesaram os ombros. O camisa 26 usaria esta 'cara amarrada' para marcar com firmeza o atacante Fred. Desafiando os critérios do juiz Luiz Flávio de Oliveira, Tiago venceu o duelo com o matador tricolor.
No ataque, entretanto, o Galo pecava. O retorno de Robinho acedeu apenas um fósforo na escuridão que é o sistema ofensivo alvinegro. Passes para trás, pouca explosão e preso na marcação, o camisa 7 foi sacado merecidamente no segundo tempo.
Foi pelo lado de Robinho (o jogador não falhou, entretanto) que o Flu conseguiu arrancar o empate ainda no primeiro tempo. Junior Urso e Lucas Cândido não se entenderam pelo flanco esquerdo e, em uma dessas aberturas de espaço, Cícero lançou Gustavo Scarpa, que saiu na cara de Victor e ainda contou com leve desvio de Tiago para balançar as redes.
BAIXA QUALIDADE
O empate, ruim para o Atlético e bom para o Tricolor, foi bem administrado pela equipe carioca. O Galo tentava achar espaços e não encontrava. Passou a dar contra-ataques. Mas a falta de inspiração de Richarlison, impediu maior sorte para o Pó-de-arroz.
O ex-atacante do América logo sairia de campo e daria lugar a Osvaldo. O substituto teve a bola da vitória do Fluminense no pé esquerdo, em nova falha defensiva do Atlético pelo lado direito. Mas Victor, ao contrário do lance do gol de Scarpa, não foi traído e conseguiu interceptar o chute.
Nesta altura do campeonato, o ataque do Atlético era formado por: Hyuri, Patric, Pablo e Carlos. Jogadores de baixa qualidade técnica, capazes de entregar apenas raça. O técnico Marcelo Oliveira sabia que o gol estava longe. Depositou fortes esperanças no jovem João Figueiredo, com características de 'camisa 9', que entrou no  lugar a Patric.
Mas quem entrou em campo e realmente assustou foi Magno Alves. O experiente atacante, velho conhecido do Galo, na verdade errou um gol claro na cara de Victor . Ainda daria tempo de Carlos arrancar suspiros da torcida em cabeçada perigosa. Mas o apito final foi acionado e a torcida vaiou rapidamente o placar na igualdade.
FICHA TÉCNICA:
ATLÉTICO X FLUMINENSE
Atlético: Victor, Marcos Rocha, Gabriel, Tiago e Lucas Cândido; Rafael Carioca, Leandro Donizete (Pablo) e Junior Urso; Patric, Carlos e Robinho (Hyuri). Técnico: Marcelo Oliveira
Fluminense: Diego Cavalieri; Jonathan, Henrique, Gum e Giovanni; Edson, Douglas, Cícero e Gustavo Scarpa (Marcos Júnior); Richarlison (Osvaldo) e Fred (Magno Alves). Técnico: Levir Culpi
Gols: Tiago, aos 2 minutos do primeiro tempo e Gustavo Scarpa, aos 30 minutos do primeiro tempo
Arbitragem: Luiz Flávio de Oliveira, auxiliado por Emerson Augusto de Carvalho e Anderson José de Moraes Coelho. Trio de São Paulo.
Cartões amarelos: Leandro Donizete, Patric  (CAM); Edson, Cícero, Douglas, Giovanni e Fred (FLU)
Publico: 8.144
Renda: R$ 123.695,00