Nárcio Rodrigues teria recebido R$ 1,5 milhão em propina

Hoje em Dia

Nárcio Rodrigues prestou depoimento e foi encaminhado à Penitenciária Nelson Hungria
 
Em delação fechada com o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), o português Firmino Rocha, executivo do Grupo Yser, afirmou que a empresa pagou R$ 1,5 milhão em propina para o ex-presidente do PSDB, Nárcio Rodrigues. O político está preso desde segunda-feira, quando foi deflagrada a Operação Aequalis, responsável por investigar superfaturamento e desvio de R$ 14 milhões em recursos públicos em obras da Fundação HidroEx, dedicada à pesquisa de recursos hídricos. A fundação é sediada em Frutal, reduto político e eleitoral do tucano.
De acordo com o delator, parte do suborno foi desviado para o financiamento de campanhas eleitorais. Na época do pagamento da propina, Nárcio era secretário de Ciência e Tecnologia do governo Antonio Anastasia (PSDB). O dinheiro, ainda de acordo com o executivo do grupo Yser, teria sido remetido a Hong Kong. O suborno foi pago para que o grupo Yser fosse beneficiado na compra de material para o HidroEx.
 


Operação AequalisAlexandre Horta e Maurílio Bretas deixam o prédio do MPMG

Além de Nárcio, um dos principais articuladores do senador Aécio Neves (PSDB) e coordenador das campanhas de Anastasia e Pimenta da Veiga, outras quatro pessoas foram presas na segunda. Entre elas, Alexandre Pereira Horta, engenheiro do Departamento Estadual de Obras Públicas, e Maurílio Bretas, Sócio da CWP Engenharia. 
Os dois estiveram no MPMG na tarde de ontem para serem ouvidos pelo promotor responsável pelo caso, William Garcia. De acordo com o advogado de Alexandre, Henrique Viana, no entanto, a oitiva do engenheiro foi remarcada. A nova data não foi informada. O Ministério Público não deu mais informações.

Em nota, o PSDB afirmou que não conhece detalhes da operação Aequalis. Ainda segundo o texto, o partido defende a investigação do caso e a punição de responsáveis, caso fique comprovado o crime.

 
Veja o momento em que os suspeitos deixam o prédio do MPMG: