Mineiro terá que trabalhar 10 anos a mais para se aposentar

Média no Estado para receber o benefício é 55 anos, mas governo quer idade mínima de 65

 O Tempo

Conformados. O casal Rafael Luís e Paloma Rosilene acredita que terá que trabalhar por mais tempo para conseguir se aposentar  

Mudanças nas regras da aposentadoria podem fazer com que o mineiro trabalhe até uma década a mais para se aposentar. Segundo a Superintendência Regional do Instituto Nacional do Seguro Social em Minas Gerais (INSS/Sudeste II), a atual média de idade de aposentadoria por tempo de contribuição no Estado é 55 anos.
O governo federal estuda, entre outras propostas, implementar a idade mínima para aposentadoria de 65 anos tanto para homens como para mulheres. Assim, pelo cálculo da superintendência, o mineiro em idade ativa vai ter que trabalhar dez anos a mais, em média, para se aposentar.
Apenas o Brasil e mais três países – Irã, Iraque e Equador – adotam a aposentadoria por tempo de contribuição sem um requisito de teto de idade, segundo um estudo do Ministério do Trabalho e Previdência Social.




A possibilidade cada vez mais real de uma reforma na Previdência Social e as mudanças trazidas pela regra dos 85/95 pontos, que entraram em vigor em janeiro deste ano, trouxeram confusão para o contribuinte, que muitas vezes desconhece quando vai poder se aposentar.
“Não faço a menor ideia, Não conheço nada, nunca ouvi falar dessa regra 85/95”, afirma a auxiliar de serviços gerais, Maria dos Anjos Silva, 35. A balconista Lúcia Cândida de Carvalho Melo, 50, também desconhece. “Já ouvi falar (da regra de 85/95 pontos), mas não sei explicar”, diz. Ambas concordam, porém, que a tendência é ter que trabalhar mais se a lei mudar.
“Nem sei se vou chegar à idade para aposentar. Pelo visto, só com 60 anos para lá. O governo já fez uma lei para aposentar mais tarde. A tendência é só piorar”, completa o autônomo Rafael Luís Lessa dos Reis, 20.

Funcionamento

O sistema de pontos é paulatino e só deve aumentar significativamente a média de idade para a aposentadoria no futuro. Até porque o tempo de contribuição não é alterado, se mantém em 35 anos para homens e 30 anos para mulheres.
“Se a pessoa tiver somente esse requisito (tempo de contribuição), ela aposenta com o fator previdenciário, que leva em consideração a expectativa de vida calculada pelo IBGE”, explica a assessora de benefícios do INSS/Sudeste II Alba Valéria de Assis.
Para não incidir o fator previdenciário, a soma da idade com o tempo de contribuição do homem deve ser de ao menos 95 e no caso da mulher, 85 pontos. Ou seja, o homem que contribuiu 35 anos deve ter pelo menos 60 de idade e a mulher que contribuiu 30 anos deverá ter 55. A regra é progressiva, e, a cada dois anos, aumenta um ponto até 2026, quando a soma deverá ser 90 para mulheres e 100 para homens.