Garota de 13 anos com depressão está sumida há 42 dias em Betim

Segundo a mãe, após sair de casa, adolescente foi levada por três homens

O Tempo

Família registrou boletim de ocorrência de desaparecimento

Há 42 dias, a família da adolescente Keithy Kelly Santos Silva, de 13 anos, vive angustiada esperando por informações que possam levar ao encontro da menina que sofre de depressão e, antes de sumir, fazia uso de remédios controlados. A garota saiu de casa, no bairro Imbiruçu, em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte, no dia 9 de maio e, já na rua, foi levada por três homens.
“Por volta das 8h30 do dia do desaparecimento, ela saiu de casa sem que eu percebesse. Meu filho mais velho a encontrou na rua e tentou levá-la de volta, mas, muito agitada, ela começou a agredi-lo. Nesse momento, três garotos chegaram, bateram nele e a levaram”, contou a mãe, Elisângela dos Santos, de 32.
Segundo a dona de casa, três dias antes do sumiço, Keithy teve uma crise nervosa e agrediu familiares. A Polícia Militar precisou ser chamada para que a jovem fosse contida e encaminhada ao Hospital Municipal de Betim.
“Ela foi medicada e liberada no mesmo dia. O médico deu uma guia para interná-la caso tivesse outra crise. No dia que ela sumiu, esse homens disseram ao meu filho que a entregariam às 21h na praça do bairro. Fui para lá, mas ninguém apareceu. Eles não tinham contato com a Keithy”, explicou Elisângela.
Por recomendações médicas, a menina não frequenta à escola. Segundo a mãe, a garota tem apenas duas amigas, que chegaram a  passar pistas falsas para a família. “Já não sabemos mais a quem procurar para pedir ajuda. Preciso da minha filha aqui”, desabafou a mãe.
A reportagem de O TEMPO fez contato com a assessoria de imprensa da corporação e aguarda um retorno da corporação em relação às investigações.
No dia 19 de maio, O TEMPO Betim publicou o depoimento de Elisângela na matéria "Betim é a quarta cidade em Minas com mais menores desaparecidos".