Dezessete medicamentos estão em falta na Farmácia de Minas

Alguns remédios são de uso contínuo e de tratamento de doenças crônicas, como no caso de hemodialise e deficiências pulmonares, e chegam a custar até R$ 200.

O Tempo

Em abril a fila ficou grande na farmácia por causa da paralisação dos funcionários
Dezessete medicamentos que são oferecidos gratuitamente pela Farmácia de Minas estão em falta. Na manhã desta quarta-feira familiares e pacientes formaram uma enorme fila em frente a Farmácia de Minas na Avenida do Contorno, no bairro Gutierrez, Região Oeste de Belo Horizonte em busca dos medicamentos. Os funcionários do local estão em greve, desde abril, e apenas 30% dos funcionários estão trabalhando.
Alguns remédios são de uso contínuo e de tratamento de doenças crônicas, como no caso de hemodialise e deficiências pulmonares, e chegam a custar até R$ 200. De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde (SES), alguns remédios estão em falta por falta de repassse da União, outros por problemas na fabricação e alguns sendo adquiridos.
Na manhã desta quarta, enquanto algumas pessoas tentavam adquirir o medicamento, os trabalhadores da empresa terceirizada que prestam serviço para a Farmácia de Minas, fizeram uma manifestação na avenida do Contorno. Eles reclamam da  reivindicam a volta do pagamento do adicional por insalubridade.
A secretária afirmou que está em negociação com os trabalhadores e que espera que o atendimento no local se normalize. Uma audiência entre funcionários da empresa e responsáveis pela SES está marcada para o próximo dia 8.
“A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) apresentou proposta para os funcionários da MGS que estão paralisados na Farmácia de Todos da Avenida do Contorno, em Belo Horizonte. A proposta consiste em gratificação no valor de R$ 200 para até 124 empregados que prestam serviços relacionados ao atendimento ao público e dispensação de medicamentos. A SES-MG está acompanhando a negociação entre MGS e sindicato da categoria e está empenhada para que o atendimento à população seja normalizada. Nesta terça-feira (31/05), 16 funcionários da MGS foram destinados à Unidade para reforçar o atendimento à população”, informou a secretária.
No último dia 24, a greve já tinha prejudicado quem foi buscar os medicamentos. Com menos funcionários, o atendimento demorou e gerou filas na farmácia.

Veja a nota da Secretaria na íntegra que explica a situação de cada medicamento em falta:

Os medicamentos Calcitriol 1 mcg/mL, Budesonida + Formoterol 400/12 mcg cápsula inalante e Hidroxiuréia 500 mg encontram-se em processo de aquisição pela SES/MG. A SES/MG entende que é suma importância o fornecimento regular desse medicamento e está empenhando esforços para a normalização da situação o mais breve possível.

Com relação ao item Danazol 100mg, a Indústria Farmacêutica protocolou junto à ANVISA a notificação de descontinuação temporária da fabricação do medicamento, o que ocasionou o desabastecimento nacional.

O medicamento Clozapina, nas apresentações comprimido 25mg e 100mg, possui aquisição centralizada pelo Ministério da Saúde (MS), ou seja, a compra é realizada pelo MS e o mesmo distribui aos Estados para que as Secretarias forneçam para os pacientes cadastrados. Atualmente, estamos aguardando a entrega do item pelo MS.

Os fornecedores dos medicamentos Bromocriptina 2,5mg, Formoterol 12 mcg e Topiramato 25 mg encontram-se em atraso com as entregas. A falta dos itens Etossuximida 50mg/mL eTolcapona 100 mg também relaciona-se ao atraso na entrega pelos fornecedores, entretanto, esses medicamentos foram recentemente entregues e estão em fase de distribuição para a Farmácia Regional.

Não há problemas no abastecimento do medicamento Filgrastim 300mcg e uma nova distribuição foi autorizada para a farmácia.

O estoque do item Somatropina 4UI foi regularizado e a distribuição autorizada.

Quanto ao medicamento Metotrexato 25mg/mL injetável, há falta no mercado devido a problemas no processo de fabricação, sem previsão de regularização do fornecimento por parte do fabricante.

Nos casos de falta de medicamentos, orientamos que os pacientes informem ao médico para que seja avaliada a possibilidade de tratamento com outra alternativa terapêutica que esteja disponível. Os pacientes devem acompanhar as informações atualizadas quanto à entrega dos medicamentos por meio do LigMinas, ao discar 155 e escolher a opção 2, Secretaria de Saúde, em seguida opção 4, Farmácia de Todos.

Tão logo os medicamentos sejam entregues em nosso almoxarifado, autorizaremos a distribuição a todas regionais de saúde do Estado.