Desfigurado, Cruzeiro é batido pelo Flamengo no Mineirão

Equipe celeste não conseguiu repetir a boa atuação exibida no clássico contra o Galo e foi derrotado pelo placar mínimo

Super_fc

Riascos, que sempre foi carrasco do Flamengo nos tempos de Vasco, passou em branco

Vencer o clássico contra o Atlético e em seguida ter duelo no Mineirão. O cenário para o Cruzeiro alcançar pela primeira vez no Campeonato Brasileiro de 2016 duas vitórias seguidas e ganhar a primeira no estádio foi o ideal. A torcida ganhou o ânimo para comparecer ao Gigante da Pampulha em bom número. Mas em campo, a Raposa teve muitas dificuldades e foi batida pelo Flamengo por 1 a 0, na noite de ontem.
Vencer no Mineirão tem sido algo difícil para o Cruzeiro em toda a temporada. No Brasileiro, o triunfo ainda não aconteceu. A equipe empatou com Figueirense e foi batida pelo São Paulo e Flamengo. Curiosamente, o gol do Flamengo, que recoloca a Raposa bem próxima da zona de rebaixamento, foi marcado justamente de um ex-jogador do Galo, o zagueiro Réver, que fez a sua estreia com a camisa do clube carioca.
O time treinado por Paulo Bento sentiu os muitos desfalques. O Cruzeiro entrou em campo sem cinco atletas que estiveram na vitória sobre o Atlético, no domingo. Lucas, Bryan, Bruno Viana e Lucas Romero cumpriram suspensão. Elber sofreu lesão. Na escalação, a grande surpresa foi a presença do jovem Alex no meio de campo. O jogador fez o seu quinto jogo pelo profissional da Raposa, mas foi titular pela primeira vez.
O primeiro tempo mostrou que a expectativa do torcedor em sair com a vitória não seria correspondida com facilidade. O Cruzeiro até começou melhor, tentando uma pressão nos minutos iniciais. Mas rapidamente o sistema defensivo do Flamengo mostrou força e marcação encaixada. O time carioca adotou uma variação de três zagueiros quando tinha a bola, para melhorar a saída de jogo e cinco defensores quando era atacado.
O Cruzeiro tentava furar o bloqueio com investidas de Arrascaeta, com liberdade para cair pelos lados e Alisson, tentando se aproximar com Riascos, o homem centralizado. Mas as oportunidades foram poucas. Tanto é, que o primeiro chute a gol, feito pelo colombiano aconteceu depois dos 30 minutos da etapa inicial, quando o disparo foi direto para fora.
O time carioca apostava em duas jogadas para tentar ficar à frente do placar. Atacava pelos lados, com Marcelo Cirino e Everton, que aproveitavam o improviso de Bruno Ramires e Allano nas laterais da Raposa. Mas o perigo maior vinha na bola aérea, principalmente com Réver. Foi assim, inclusive, que saiu o gol rubronegro. O defensor, estreante, cabeceou sem chances para Fábio.
Após orientações de Paulo Bento no vestiário do Mineirão, o Cruzeiro mudou a sua postura, os atletas retornaram pressionando. O time foi todo para o ataque. Riascos brigou muito com a dupla de zaga carioca. Arrascaeta passou a atuar centralizado e a bola sempre rondando o seu setor. Alex foi escalado na direita e Alisson aberto na esquerda. O volume de jogo aumentou, mas a dificuldade para marcar seguiu. A pressão até os minutos finais da etapa final não resultou no empate.