Corpo de Hélio Garcia é cremado no Parque da Colina em Belo Horizonte

Governador Fernando Pimentel (PT), prefeito Marcio Lacerda (PSB) e outros políticos mineiros acompanharam a cerimônia de despedida 

O Tempo 

Hélio Garcia é velado no cemitério Parque da Colina. Foto: Douglas Magno

  O corpo do ex-governador Hélio Garcia, foi cremado no início da noite desta segunda-feira (6) no
Cemitério Parque da Colina, no bairro Nova Cintra, na região Oeste de Belo Horizonte. Acompanharam a cerimônia de despedida seus familiares e diversos políticos do cenário mineiro, como o governador Fernando Pimentel (PT).
Aos 85 anos, Hélio morreu na manhã desta segunda-feira (6). Ele foi internado no Hospital da Unimed - unidade Contorno, em Belo Horizonte, no dia 28 de maio de 2016, com quadro de pneumonia comunitária grave, e faleceu nesta manhã, em decorrência de insuficiência respiratória, de acordo com a assessoria do hospital.
O corpo do ex-governador chegou ao velório no início da tarde. O caixão que carregava o corpo do político foi recebido por cadetes da Polícia Militar (PM). As bandeiras de Minas Gerais e do Brasil foram estendidas em cima do caixão e permaneceram até que ele chegasse ao local do velório.

O governador do Estado foi um dos primeiros a chegar a cerimônia da despedidas. Pimentel lamentou a morte de Hélio.
"É um momento de tristeza e de luto pela perda do ex governador. Ele era um homem de bem, um homem público que prestou inestimáveis serviços a Minas Gerais e ao Brasil. Deixa um legado de serenidade e prudência, de espírito democrático. Foi uma referência para toda uma geração de políticos. Então estamos aqui para prestar solidariedade para a família nesse momento é dizer que fica a memória dele e que certamente ele será homenageado por tudo que fez na nossa história e no Brasil", lamentou Pimentel.

Já o senador Aécio Neves (PSDB), resgatou as memórias de Hélio no momento de transição democrática do Brasil.

"Essa foi uma grande perda para Minas Gerais. Ele foi um grande articulador durante essa transição. Hélio marcou sua passagem pela vida pública com muita coragem, firmeza e coragem as suas convicções. Ele atuou sempre no fortalecimento de Minas e da democracia", afirmou o senador.
Além deles, o prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB), o vice-prefeito da capital, Délio Malheiros (PV), ex-governador Eduardo Azeredo (PSDB), ex-governador, Newton Cardozo (PMDB), e outros acompanharam o velório e prestaram suas homenagens.
Trajetória
Hélio de Carvalho Garcia nasceu em Santo Antônio do Amparo (MG) em 16 de março de 1931.

Ele se formou em direito pela UFMG em 1957 e, aos 32 anos, elegeu-se deputado estadual. Mais tarde, foi deputado federal (1967-1971), vice-governador na chapa de Tancredo Neves (1983-1988), prefeito de Belo Horizonte (1983-1984) e governador em dois mandatos: de 1984 a 1987 e de 1991 a 1994.

Em 1998, Garcia tentou uma vaga no Senado, mas desistiu no início da campanha e abandonou a carreira política.
Além de política, Hélio Garcia era fazendeiro: refugiou-se várias vezes, entre um mandato e outro, em sua propriedade em Santo Antônio do Amparo, a fazenda Santa Clara.

A partir de 2004, Garcia começou a apresentar problemas de saúde, como má circulação que ocasionava dores nas pernas e dificuldades de locomoção, inflamação dos pulmões e lapsos de consciência. Esses e outros problemas se agravaram nos últimos anos. Ele morreu aos 85 anos nesta segunda-feira, 6 de junho, no Hospital da Unimed.