Arroz segue a trajetória do feijão e deve subir até 40% ao longo deste ano

Hoje em Dia
 
O brasileiro terá que desembolsar mais para manter um tradicional hábito da alimentação tupiniquim. Não bastassem os aumentos sucessivos do feijão, o arroz já está mais caro na gôndola e vai ficar ainda mais, elevando o custo da refeição básica ao preço de um banquete.
A projeção da Federação das Associações de Arrozeiros do Estado do Rio Grande do Sul (Federarroz) é a de que a saca de 50 kg do grão feche o ano com aumento na casa dos 40%. Entre março e este mês, a saca ao produtor já saltou de R$ 39,50 para R$ 47,50, alta de 20%.
De acordo com o superintendente do grupo Supernosso, Rodolfo Nejem, o arroz tem chegado ao varejo entre 10% e 20% mais caro, dependendo da marca. “Diminuímos a margem e repassamos apenas metade ao consumidor”, diz. Segundo integrante da dupla, o feijão carioca acumula alta de 41,62% ao consumidor em 2016. O governo zerou ontem o imposto de importação de feijão para países de fora do Mercosul. A medida, no entanto, deve ter pouco efeito, pois o feijão-carioca, tipicamente brasileiro, praticamente não é encontrado para a importação em outros países. A cotação do dólar também não favorece a importação. 
No campo

No caso do arroz, o principal problema é a menor produtividade (influenciada pelo excesso de chuvas no Rio Grande do Sul). “Além disso, houve aumento no custo de produção da safra passada, que teve a energia elétrica como o principal vilão”, aponta o presidente da Federarroz, Henrique Dornelles.
A lavoura de arroz utiliza a energia elétrica para o funcionamento das bombas de água que mantêm a irrigação. No Rio Grande do Sul, em Santa Catarina e no Paraná, segundo Dornelles, 100% dos arrozais são irrigados, e têm a energia elétrica como importante componente do custo. Além disso, como muitos insumos utilizados na plantação são importados, como fertilizantes e defensivos, o aumento dos custos também foi influenciado pelo dólar, que na época do plantio chegou perto da casa dos R$ 4.
De acordo com Charbel Felipe Silva, da Charbel Representações, especializada em commodities, a elevação dos preços ganhou força neste mês. “No Rio Grande do Sul – maior produtor do país –, o preço médio ponderado do arroz em casca ao produtor atingiu os R$ 46,75 por saca de 50 Kg. A alta em sete dias foi de 3,2%. Em 30 dias, os preços subiram 10%”, relata. 
Negociação

Na próxima terça-feira, representantes dos produtores de arroz se reúnem com o governo federal para pleitear a dilatação do pagamento de dívidas. A expectativa é de um parecer positivo em relação à renegociação do prazo de vencimento dos débitos de crédito rural vencidos e a vencer, correspondentes a custeio e investimento. (Colaborou Tatiana Moraes)