Alarme falso sobre encontro de adolescente causa desespero na família em Nova Lima/MG

Notícia falsa veiculada em rádio da capital sobre o encontro de Ana Paula Carvalho, de 15 anos, gerou comoção entre os parentes e uma irmã dela chegou a passar a mal e precisou ser socorrida na noite desta quarta-feira (29)

O Tempo

Menina não é vista desde a tarde de sábado (25)

Instantes após ouvirem em uma rádio da capital que Ana Paula Carvalho, 15, havia sido encontrada, os parentes da adolescente se empolgaram ao perceberem a aproximação de uma viatura do Corpo de Bombeiros, mas pouco depois acabaram frustrados ao descobrirem que, na verdade, continuavam sem qualquer notícia do paradeiro da adolescente. "Achei que eles estavam trazendo minha filha", disse, aos prantos, a mãe da menor, Luciene Dias de Carvalho Lopes.
A menina está sumida desde o último sábado (25), quando saiu de um condomínio em Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte, para esperar o pai de uma amiga que a buscaria no ponto de ônibus às margens da BR-040. Após ver a repercussão do caso na mídia e perceber que a corporação não havia sido acionada, um capitão dos bombeiros decidiu abrir uma chamada e enviou uma equipe à casa da família para conversar e ver se havia algo que pudesse ser feito.
"Constatamos que ela estava do lado de fora da portaria quando desapareceu e não tinha exatamente um local onde pudéssemos fazer buscas, uma mata ou algo do tipo. Diante disso percebemos que, por enquanto, não há muito que a corporação possa fazer", explicou o tenente Lipovetsky Silva, que se deslocou até o local e conversou com os pais de Ana Paula.
A ida dos bombeiros ao condomínio foi publicada no Twitter e, pouco tempo depois, a rádio veiculou a notícia dando como certo o encontro da menina. Conforme o pai da menor, Paulo Carlos Lopes, 53, que trabalha como caseiro em uma das casas do condomínio, eles se empolgaram com a notícia. "Como ouvimos no rádio que ela foi encontrada e a viatura dos bombeiros chegou logo depois, minha outra filha de 21 anos, que era muito próxima da Ana Paula, ficou muito agitada e chegou a passar mal", contou.
A irmã da adolescente precisou de ser socorrida por uma ambulância após a situação. No momento em que ouviram a notícia com a informação não confirmada, a casa da família estava repleta de amigos e parentes. "Os meus patrões estão dando o maior apoio, deixaram os portões abertos na esperança de alguém dar uma notícia sobre ela. Estamos esperando ela chegar a qualquer momento", finalizou o pai.
A investigação
A Polícia Civil de Minas Gerais ouviu, nesta terça-feira (28), pessoas que estiveram com Ana Paula Carvalho na data do seu desaparecimento. A previsão é que nesta quarta-feira (29), o delegado Fernando Marins, da Delegacia de Polícia Civil do Jardim Canadá, colha depoimentos dos amigos da adolescente na tentativa de encontrar alguma pista sobre o desaparecimento dela.
Pela manhã, a mãe de Ana Paula,  Luciene Dias de Carvalho Lopes, recebeu a informação de que a adolescente estaria em Lagoa Santa, na região metropolitana da capital, porém nada foi confirmado.“Estamos desesperados, até agora não conseguimos nenhuma informação e já é o quarto dia que ela está desaparecida. Essas informações que alguém tinha visto ela são todas alarme falso. Hoje fui ouvida novamente pela polícia, mas eles dizem que ainda não sabem de nada”, lamenta Luciene.
A assessoria de imprensa da Polícia Civil afirma que os agentes estão intensificando as buscas por Ana Paula porque ela já está desaparecida há alguns dias. Ainda segundo a assessoria de imprensa, ainda não é possível falar em sequestro, já que não há uma linha de investigação definida em relação ao desaparecimento, porém nenhuma hipótese é descartada.
Ana Paula saiu do condomínio onde mora com a família por volta de 17h40 de sábado e ficou esperando o pai de uma amiga buscá-la em frente ao Lago do Miguelão. A menina ficou sentada em um ponto de ônibus ao lado da portaria C do condomínio que fica de frente para a BR-040. Quando o pai da amiga de Ana Paula chegou, às 17h55, ele não a encontrou e ligou para Luciene que tentou falar com a filha, porém, por volta de 18h, o celular dela já estava desligado.
Amigos e familiares da meninas, desde sábado, fazem uma campanha pelas redes sociais com o objetivo de encontrá-la. Quem tiver informações sobre o paradeiro de Ana Paula pode informar a polícia pelos telefones 181, 190 ou 0800 2828 197.