Veículos são furtados até dentro das garagens em BH

PM diz ser preciso reforçar segurança e tomar cuidados, como trancar o veículo e deixar o alarme ligado

O Tempo
Castelo. Bandidos invadiram prédio e furtaram rodas e objetos de quatro carros na garagem
 
Guardar o carro na garagem onde geralmente existe cerca elétrica, portão eletrônico e câmaras de segurança não tem sido sinônimo de segurança para quem mora em Belo Horizonte. Mesmo com todo aparato de proteção, bandidos estão invadindo prédios e furtando rodas e objetos de veículos. Um dos casos mais recentes foi registrado na sexta-feira, quando criminosos entraram em um edifício do bairro Castelo, na Pampulha, e fizeram uma “limpa” em quatro carros.

Para a Polícia Militar, além de aumentar a segurança, os moradores deveriam tomar cuidados, como manter os veículos fechados e seus alarmes ligados, o que poderia evitar o problema. No episódio no Castelo, o prejuízo foi de cerca de R$ 10 mil. “Como não havia sinais de arrombamento, a gente acredita que os criminosos tenham usado uma chave micha. Eles levaram as quatro rodas de dois carros e tudo que estava dentro de outros dois veículos abertos, como notebook, rádio e o controle do portão, além de mais de cem garrafas de cerveja importada que estavam na garagem”, contou uma das vítimas, que pediu anonimato.

A reportagem de O TEMPO conversou com moradores de três prédios invadidos somente neste ano na capital. Eles relatam uma maneira semelhante de agir dos bandidos. Apesar disso, a PM não afirma que os crimes foram cometidos por uma mesma quadrilha.

Os criminosos invadem o prédio durante a madrugada, usam materiais como tijolos para apoiar os veículos, furtam e fogem. “Eles arrombaram o portão, levaram as rodas de três carros e as câmeras de segurança. Só vimos no outro dia”, contou o advogado Antovany Tadeu Santos, 33, morador de um edifício do bairro Manacás, na Pampulha, invadido em março. Em outro caso, no Castelo, em abril, o morador de um prédio ouviu barulhos e acionou o alarme, mas os criminosos fugiram. “Eles são rápidos e sabem o que fazer”, disse.

Segurança. De acordo com o chefe da assessoria da PM, capitão Flávio Santiago, os moradores podem contribuir com a segurança ao denunciar à corporação pessoas que circulam em atitude suspeita próximo de suas casas, além de reforçar os aparatos de segurança. “Às vezes a pessoa acredita que um muro de 1,5 metro é suficiente para se proteger, mas é importante ter um gradil, alguma barreira que inviabilize a entrada. Mas não adianta ter isso se não mantiver as portas fechadas e os alarmes dos carros ligados”, alertou.

O delegado da 1ª Delegacia Especializada de Investigação a Furto e Roubo de Veículos Automotores, Luciano Guimarães, afirmou que a população não deve comprar peças de carros sem procedência. “Os roubos e furtos só acontecem porque há quem compre essas peças”, afirmou. Ele acredita que a Lei do Desmonte, sancionada em 2014 pela presidente Dilma Rousseff, que determina que peças de carros sejam identificadas por uma etiqueta com dados de sua origem, possa reduzir em até 25% a ação dos bandidos.