Tiroteio assusta moradores da Rocinha no Rio de Janeiro, assista ao vídeo

Segundo a PM, o Bope realiza uma operação na comunidade

O Dia


Policiais trocaram tiros com traficantes na Rocinha
Foto: João Laet / Agência O Dia

A Polícia Militar informou que o Batalhão de Operações Especiais (Bope) realiza uma operação na comunidade desde o início da tarde desta sexta-feira. De acordo com a PM, a ação tem o objetivo de prender o suspeito de ser o chefe do tráfico de drogas do local, Rogério Avelino da Silva, conhecido como Rogério 157. O Portal dos Procurados oferece uma recompensa de R$ 2 mil para quem fornecer informações que levem a prisão do ex-segurança pessoal do traficante Nem.
A PM contou que Rogério fez parte do grupo de dez traficantes que invadiu o Hotel Intercontinental, em agosto de 2010. Ele foi solto em 2012 por ordem judicial. Até o momento não há informações de prisões e nem de feridos.

Moradores tiveram que esperar no pé da comunidade para voltar para casa
Foto: João Laet / Agência O Dia

A direção da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), que fica na Gávea, disse que os tiros também foram ouvidos de lá e informou que orientou os alunos a se afastarem da área que fica próxima à comunidade.
Moradores registraram intensa troca de tiros de dentro da comunidade da Rocinha. No Alto Leblon, um morador também registrou o intenso tiroteio.
Morador de São Conrado, ex-prefeito e atual vereador Cesar Maia (DEM) postou no Twitter, por volta das 15h30: “Tiroteio na Rocinha”.
Alunos da PUC, universidade cujo campus fica próximo à comunidade, também relataram ter ouvido muitos disparos. A direção informou que alguns professores preferiram não dar aula. No fim da tarde, a Autoestrada Lagoa-Barra foi interditada. O trânsito ficou intenso no sentido Gávea.
Cerca de 20 policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope), a tropa de elite da PM, foram à favela para apoiar a ação, promovida por PMs do 23º Batalhão (Leblon).