Samu Centro-Oeste inicia atividades em junho, leia mais

A previsão inicial era de que até o mês de março os atendimentos fossem iniciados na região

Central de Regulação do Samu será em Divinópolis (Foto: G1)

A inauguração do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) está prevista para a primeira quinzena do mês de junho, dois anos após a fundação do Consórcio Intermunicipal de Saúde da Região Ampliada Oeste (Cisurg), que é responsável pela implantação do serviço no Centro-Oeste de Minas. A previsão inicial era de que até o mês de março os atendimentos fossem iniciados na região.
De acordo com informações oficiais, no dia 27 de maio termina a capacitação dos 480 funcionários do serviço, incluindo médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e condutores socorristas. Mais de 130 profissionais também são treinados para o cadastro reserva.


Bases descentralizadas
Os 480 profissionais trabalharão na área de cobertura que compreende 54 municípios da região de saúde do Centro-Oeste. Já as bases decentralizadas do Samu, onde ficarão as ambulâncias, estão localizadas em 23 municípios, sendo eles: Divinópolis, Pitangui, Arcos, Cláudio, Itapecerica, Luz, Campo Belo, Oliveira, Bom Despacho, Bambuí, Dores do Indaiá, Formiga, Candeias, Carmópolis de Minas, Santo Antônio Monte, Santo Antônio do Amparo, Itaguara, Itaúna, Pará de Minas, Nova Serrana, Martinho Campos, Pimenta e Lagoa da Prata. O atendimento abrangerá uma população total de 1.195.499 habitantes, integrados ao Consórcio.


Ambulâncias
Serão disponibilizadas para cada base, uma ambulância do tipo Unidade de Suporte Básico (USB), tripulada por dois técnicos de enfermagem e um condutor socorrista. Além desses veículos há também sete Unidades de Suporte Avançado (USA), tripuladas por um médico, um enfermeiro e um condutor socorrista. Estas unidades serão destinadas a Divinópolis, Luz, Campo Belo, Oliveira, Formiga, Nova Serrana e Itaúna. Municípios além de terem a ambulâncias do tipo USB terão também unidades do tipo USA. A logística dessa distribuição de ambulâncias foi feita para que se situem em pontos estratégicos, de forma que o tempo entre a chamada recebida pelo 192 e a chegada da ambulância, demore no máximo 40 minutos em qualquer ponto da região Centro-Oeste.
Para a escolha também foram levadas em consideração as estrada, acessos, rodovias e estradas rurais, além do perfil epidemiológico de cada município. De acordo com o gerente de logística do Cisurg, Dárcio Lemos, todas as ambulâncias que serão entregues contam com comunicação via web, telefone e GPS, e farão os atendimentos de urgência médica, clínica e de acidentados.
As ambulâncias serão entregues neste mês. Elas foram adquiridas pelo Estado e serão doadas ao Consórcio.
Todo material para implantação do Samu custou R$ 7.076.279,61, verba que foi destinada pelo  Estado através de um convênio com o Consórcio.


Hospital Regional
O secretário executivo do Consórcio, José Márcio Zanarde contou que quando o Cisurge começou a ser implantado, a expectativa dos responsáveis era de que até o fim do processo o Hospital Regional, que está sendo construído em Divinópolis, estivesse pronto. Entretanto a unidade não foi finalizada e está com 80% das obras físicas concluídas, como informou a Prefeitura na sexta-feira passada (29). “A unidade contaria com um Pronto Socorro Regional e isso seria de grande valia para destinação de alguns pacientes. Mesmo com todas as vantagens do Hospital São João de Deus (HSJD) ele não tem suporte suficiente para dar o atendimento necessário como um hospital polivalente, que seria o Regional”, destacou.
“Tínhamos expectativa de que o Regional estivesse pronto de fato. Mas independente de estar pronto ou não, a proposta do Samu não é simplesmente pegar o pacientes e levá-lo até o hospital. A proposta é que os profissionais das unidades prestem atendimento pré-hospitalar para que o paciente chegue à unidade de saúde onde ele será atendimento. As ambulâncias têm essa qualificação. O paciente será atendido no local e será então levado para unidade. Esse será o grande ganho da população. Esse pré-atendimento vai garantir a sobrevivência e evitar sequelas graves”, completou Zenard.

Fonte:G1