PM prende suposto estuprador que agia em Belo Horizonte

Homem teria feito três vítimas na Pampulha e em Venda Nova; agressor usava um Siena vermelho para abordar vítimas. câmera flagrou carro

Jornal O Tempo

 

Prisão. Suspeito de cometer estupros esconde o rosto em delegacia da capital, para onde foi levado

A Polícia Militar (PM) prendeu nesta quinta-feira o homem suspeito de cometer estupros em série nas regiões da Pampulha e de Venda Nova, em Belo Horizonte. Três mulheres reconheceram o chamado “estuprador do sedã vermelho” na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher, no bairro Barro Preto, na região Centro-Sul da capital.
O homem, de 46 anos, que não teve o nome revelado, foi levado para a delegacia para prestar depoimento após ser surpreendido pela PM, por volta das 6h30 de ontem, quando saía de casa para o trabalho, em Betim, na região metropolitana. Segundo a PM, ele não ofereceu resistência durante a abordagem.
De acordo com a corporação, a identificação do suspeito só foi possível por causa das imagens de câmeras de segurança de um imóvel no bairro Bandeirantes, onde a última vítima foi atacada, na madrugada do domingo de Dia das Mães, quando saía para trabalhar. Nelas, é possível ver uma mulher deixando o Siena vermelho usado pelo agressor.
Os militares que efetuaram a prisão do homem estavam de campana no local desde a noite do dia anterior. Foram empenhados 20 policiais para monitorar a movimentação na casa do suspeito, em Betim. Ao ser questionado se era o proprietário do Siena vermelho, o homem teria até mesmo se reconhecido nas imagens apresentadas pela corporação. No entanto, ele nega ser o autor dos abusos.
Informações preliminares dão conta de que comprovantes de compras feitas cartão de crédito mostram que o homem esteve em uma casa noturna onde também estiveram as duas primeiras vítimas, no dia 17 de abril, em Venda Nova. Ele teria dado carona para as mulheres. Outro documento, de um posto de combustíveis, comprova que o suspeito abasteceu o carro em um estabelecimento próximo ao local em que ocorreu o estupro do último domingo, no bairro Bandeirantes.
As vítimas e alguns parentes passaram a manhã e parte da tarde de ontem na delegacia. Elas não quiseram conceder entrevista. Uma das mulheres apenas fez um gesto positivo com a cabeça quando foi questionada se a prisão do suspeito era um alívio.
Casado.
Dois irmãos do homem estiveram ontem na delegacia e informaram apenas que um advogado já estaria assumindo o caso. Um deles, porém, disse que o irmão era uma pessoa “tranquila e de família”. O suspeito é casado, tem uma filha de 17 anos.
O homem suspeito de ser o “estuprador do sedã vermelho” foi identificado graças a uma parceria entre os moradores do bairro Bandeirantes, na Pampulha, e a Polícia Militar (PM). Por meio do projeto Rede de Vizinhos Protegidos, a população da região tem contato direto com os militares da 17ª Companhia do 34º Batalhão, responsáveis pelo policiamento no local. 
União de vizinho protege bairro
Em um grupo no WhatsApp, moradores do Bandeirantes e integrantes da PM trocam informações diariamente sobre todos os assuntos pertinentes à segurança pública do bairro. Na última segunda-feira, o tenente Ricardo Gomes, com o auxílio da moradora Adrienne Moore, administradora do grupo na rede social, localizou uma residência com uma câmera de vigilância na avenida Cremona – onde aconteceu o estupro no domingo. Com a análise das imagens, eles identificaram a placa do veículo do suspeito.
“Temos um policiamento efetivo no bairro por causa dessa rede. Os moradores e os policiais têm contato permanente pelo aplicativo. Todas as residências que participam do grupo têm câmeras, nós conseguimos, assim, ‘blindar’ todas as partes do Bandeirantes contra a criminalidade”, contou Adrienne. Segundo ela, “nenhum carro entra no bairro sem ser filmado pelas câmeras. É impossível um criminoso agir no local sem ser identificado”, afirmou.
Histórico
Neste ano, a parceria entre os moradores do Bandeirantes e a corporação completará dez anos. “Não fomos os pioneiros no projeto. O bairro Caiçara (na região Noroeste) foi o primeiro, mas acredito que nosso bairro é o maior exemplo de sucesso da Rede de Vizinhos Protegidos. A criminalidade diminuiu bastante aqui”, disse Adrienne. A reportagem não conseguiu contato com o tenente Gomes.
 
Iniciativa
 
Projeto. Desenvolvido em 2004 pela PM, o projeto Rede de Vizinhos Protegidos tem o objetivo de promover ações entre os moradores em parceria com a corporação, no sentido de informar, integrar e coordenar vizinhos para que eles se protejam.
 
Eficiência. Segundo a PM, o programa conseguiu reduzir as estatísticas criminais nos bairros da cidade. “Temos exemplos de regiões em BH em que a criminalidade diminuiu entre 40% e 50%”, afirmou o capitão Flávio Santiago. A rede atende cerca de 70 mil pessoas em BH.