Operários de 14 indústrias da região da baixada Santista paralisam atividades nesta quarta (18)

Cerca de 5 mil trabalhadores, que recusaram proposta de reajuste, estão de braços cruzados

A Tribuna On-line

Em assembleia, trabalhadores rejeitaram proposta
de aumento feita por empresas (Foto: Sintracomos)

Cerca de 5 mil trabalhadores de 44 empreiteiras contratadas por 14 indústrias de Cubatão, Santos e Guarujá, entraram em greve na manhã desta quarta-feira (18). Eles recusaram a proposta patronal e decidiram, após uma assembleia realizada ontem, cruzar os braços. 
De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil, Montagem e Manutenção Industrial (Sintracomos), as empresas ofereceram um reajuste de aproximadamente 7% e o congelamento dos valores de benefícios como vale-refeição e participação nos lucros ou resultados (PLR). Os trabalhadores, no entanto, recusaram a proposta. 
A expectativa do presidente do sindicato, Macaé Marcos Braz de Oliveira é que uma negociação ocorra na tarde de hoje. Nesta manhã, um grupo está reunido no polo industrial para tratar do tema. 
“Na negociação, os representantes das empresas apenas falaram em crise, crise e crise. Ora, que o País está em crise, todos sabem. Mas não podemos pagar a conta”, afirmou o sindicalista. 
As duas maiores concentrações de operários paralisados serão na Ultrafértil Porto, onde cinco empreiteiras empregam 1.500 trabalhadores e na refinaria RPBC Petrobras, com dez empreiteiras e 1.300 empregados.
A categoria reivindica o reajuste com base no INPC (índice nacional de preços ao consumidor), que sempre norteou as negociações salariais no polo industrial e que em abril foi de 9,83%. Os trabalhadores querem também 5% de aumento real.