Mãe de fã que atacou Ana Hickmann diz que filho não ia fazer mal a ela

Segundo a mãe, Pádua lutava contra um "inimigo terrível", que ataca a pessoa "24 horas" por dia

O Tempo

 A mãe de Rodrigo Augusto de Pádua, 30, Wanda Simões de Pádua, afirmou nesta segunda-feira (23) que seu filho não tinha intenção de atacar a apresentadora Ana Hickmann.

Segundo ela, Pádua lutava contra um "inimigo terrível", que ataca a pessoa "24 horas" por dia -ela não especificou se o jovem sofria algum transtorno psicológico. Disse apenas que "não era ele quem fez aquilo", e classificou o episódio como uma fatalidade.
Wanda esteve na manhã desta segunda no cemitério municipal Nossa Senhora Aparecida, centro de Juiz de Fora (MG), para o sepultamento do rapaz, que foi acompanhado por poucos parentes. Abalada, deu um depoimento à imprensa ao final da cerimônia. Nenhum outro parente quis falar com os jornalistas.
Segundo a mãe, Pádua tinha intenção de machucar a apresentadora. "O meu filho era o melhor filho do mundo. Só eu o conhecia. Não foi ele que fez aquilo. Era outra pessoa. O inimigo é terrível. Ele ataca mesmo a pessoa 24 horas (...) Ele não fez nada com intenção", disse.
Wanda afirmou que Pádua "nunca mexeu com drogas, não fumava, ficava mais em casa, era sereno". A mãe confirmou que o rapaz era recluso e que não tinha amigos ou inimigos. Costumava sair de casa só para ir à academia ou levar a mãe ao cinema.
Ela o descreveu como amoroso, educado e querido por todos. "Ele costumava dizer 'mãe, a senhora é a coisa mais importante desse mundo para mim. Se a senhora morrer eu vou junto'". Segundo Wanda, o rapaz foi a Belo Horizonte para conhecer a cidade e encontrar um irmão que estaria na capital mineira.
A mãe disse acreditar que ele não teria ido ao hotel com a intenção de atacar a apresentadora. "É uma fatalidade o que aconteceu. Eu tenho certeza de que ele não foi lá para fazer mal para ninguém. Só queria conversar. Mas como o destino foi cruel, tirou o meu filho, o meu caçula que eu amava tanto. Agora, as lembranças dele vão ficar no meu coração", disse.
Pensei que fosse morrer
Abalada, a modelo e apresentadora Ana Hickmann, 35, disse que tinha certeza que o fã Rodrigo Augusto de Pádua iria matá-la no sábado (21), quando entrou armado no quarto de hotel em Belo Horizonte em que ela estava hospedada.
"Ele dizia coisas pornográficas para me humilhar. Dizia que eu tinha acabado com a vida dele. Ele veio determinado a me matar naquela hora", afirmou a gaúcha nascida em Santa Cruz do Sul em entrevista ao programa "Domingo Espetacular", da Record, na noite deste domingo (22).
"A primeira coisa que passou na minha cabeça era a de assalto, arrastão. Ele dizia: 'Eu vim acertar com você, vagabunda'. O tempo todo falando que eu não prestava, que era mentirosa, que não correspondia ao amor dele. Muito distorcido. Foi a primeira vez na vida que senti medo e que iria morrer. Ele não piscava. Ele falava com muito ódio", disse.
Ana Hickmann também lembrou das ofensas de Rodrigo: "Você é uma mentira. Duvidou do amor que eu tinha". A fala foi registrada em uma gravação feita com o celular pelo cabeleireiro Júlio Figueiredo. O profissional, contratado pela modelo gaúcha, encontrava-se do lado de fora do recinto e começou a fazer a gravação antes de chamar a segurança.
No áudio também é possível ouvir Pádua ordenando que ela e os outros dois presentes no momento -Giovana Alves (assessora e concunhada de Hickmann) e Gustavo Belo (marido de Giovana)- se sentassem de costas para ele, ao que dizia: "Eu não vou matar ninguém. Não sou assassino".
"Nunca pensei que isso poderia acontecer! Nunca pensei que o ser humano fosse capaz disso! Foi terrível! Estou profundamente abalada e triste! Só peço que todos rezem por minha cunhada para que ela se recupere logo", disse Ana Hickmann.