Jovem forja sequestro para extorquir família e é preso em Araxá

Suspeito tem 20 anos e disse ter exigido R$ 10 mil a parentes para 'soltura'.
Abordado por militares em Vargem Bonita, foi descoberto e confessou.

Suspeito de forjar sequestro foi localizado em
Vargem Bonita (Foto: Polícia Civil/ Divulgação)

Um jovem de 20 anos foi preso durante a manhã desta quarta-feira (18) em Araxá, no Alto Paranaíba, após confessar ter forjado o próprio sequestro para extorquir R$ 10 mil da família. Para isso, usou mensagens de celular enviadas à mãe e à mulher, com ameaças. O crime foi descoberto porque policiais militares abordaram o suspeito em Vargem Bonita.
Parentes do rapaz procuraram a 2ª Delegacia Regional da Polícia Civil nesta terça-feira (17) e disseram ao delegado e aos investigadores que o rapaz teria sido sequestrado e que os supostos sequestradores teriam pedido R$ 10 mil pelo resgate.
A extorsão foi praticada por meio de mensagens enviadas à mãe e à esposa dele por celular. Nas mensagens o suposto sequestrador ainda combinava o local da entrega do dinheiro e a todo momento pedia que a polícia não fosse informada.
Sandro Negrão, delegado da Polícia Civil em Araxá (Foto: Willian Tardeli/PC/Divulgação) 
Del. Sandro Negrão diz que jovem será autuado
por extorsão (Foto: Polícia Civil/Divulgação)
 
Durante toda a noite o delegado e os investigadores fizeram buscas pelo possível cativeiro do sequestro. Durante a madrugada a Polícia Militar (PM) em Vargem Bonita abordou um jovem na área rural do município.
Quando verificaram as informações do abordado no sistema de segurança pública, os militares descobriram que o jovem havia sido dado como desaparecido. Por isso, ele foi encaminhado à delegacia da Polícia Civil local, onde outro grupo de investigadores entrou em contato com a delegacia de Araxá.
"Na manhã desta quarta-feira, o suposto sequestrado confessou que forjou o próprio sequestro para exigir R$ 10 mil à família. Ele vai responder por crime de extorsão. Se for julgado e condenado, poderá pegar de quatro a dez anos de prisão", disse o delegado Sandro Negrão.

Fonte: G1