“Ele veio determinado para me matar”, afirmou a apresentadora e modelo Ana Hickmann ao comentar o atentado que sofreu em Belo Horizonte, no fim de semana. A funcionária da TV Record falou pela primeira vez sobre o caso no domingo (22), em entrevista ao programa "Domingo Espetacular.
Ainda traumatizada pelos momentos de terror que viveu na capital mineira, Hickmann detalhou o que aconteceu no quarto do hotel Caesar Business, no bairro Belvedere, Zona Sul da capital. Segundo ela, por volta das 13h15, bateram à porta do apartamento e, pensado que era o cabeleireiro contratado por sua equipe, abriu a porta. A apresentadora disse que viu o empresário e cunhado Gustavo Henrique Bello. "Ele me disse: 'Fica calma, Ana'. Aí ele entrou e o Rodrigo apontou a arma para mim", contou emocionada.
"A primeira coisa que passou na minha cabeça era a de assalto, arrastão. Ele dizia: 'Eu vim acertar com você, vagabunda'. O tempo todo falando que eu não prestava, que era mentirosa, que não correspondia ao amor dele. Muito distorcido. Foi a primeira vez na vida que senti medo e que iria morrer. Ele não piscava. Ele falava com muito ódio", prosseguiu.
Conforme Hickmann, o suspeito dizia que eles se conheciam e queria que ela confessasse que os dois já viveram momentos juntos. “É difícil de acreditar que aquela imagem, aquela cena, aquelas palavras, os tiros, que tudo aquilo aconteceu. Que minha cunhada está hospitalizada, ainda em estado bem delicado”, disse Ana. "Acho que não vou esquecer dessas imagens nunca mais", completou.
Atentado_Ana_Hickmann_FlavioTavares00001.JPGCrime aconteceu em um hotel na Zona Sul da capital mineira
Medo
"Ele dizia coisas pornográficas para me humilhar. Dizia que eu tinha acabado com a vida dele", falou a apresentadora da TV Record. Ela ainda teria tentado argumentar com o suspeito e falou que tinha um filho pequeno. Contudo, Rodrigo a classificou como "vagabunda, mentirosa" e o filho dela como "um anjo".
O cunhado de Ana Hickmann, autor dos disparos que matou o suspeito, também deu sua versão sobre o caso. Ele contou que foi rendido por Rodrigo e obrigado a levar o suspeito até o quarto onde a apresentador estava. 
No apartamento, Hickmann e a assessora e concunhada Giovana Alves de Oliveira também foram feitas como reféns. O homem teria ordenado que todos ficassem de costas, mas o empresário se recusou e começou a lutar com o suspeito.
"Prendi o cara na parede, sempre segurando no tambor [do revólver]. Batia no braço dele porque ele não soltava a arma. Trouxe para canto da cama, dei uma rasteira. Ele bateu forte com a cabeça e começou a sangrar. Pedi para ele soltar, e ele dizia não. Isso deve ter durado mais um minuto ou dois. Não aparecia ninguém. Ele começou a se debater, coloquei a mão dele por trás e 'pum'", declarou.
Parte da confusão foi gravada pelo cabeleireiro Julio Figueiredo, contratado por Hickmann. No entanto, o momento dos disparos não foi registrado, já que o profissional saíu de trás da porta para chamar a segurança.

O crime
A apresentadora da TV Record Ana Hickmann foi alvo de um atentado na tarde de sábado (21) em Belo Horizonte. Um atirador, que se denominou fã da modelo, invadiu o quarto do hotel em que ela estava hospedada com a intenção de matá-la. 
rodrigo de pádua 
Rodrigo Augusto de Pádua foi morto com três tiros
Na confusão, o suspeito Rodrigo Augusto de Pádua, 30 anos, foi morto pelo cunhado de Hickmann, Gustavo Henrique Bello. A assessora da modelo, Giovana Alves de Oliveira, baleada, resgatada e encaminhada para o Hospital Biocor. O corpo do atirador foi removido para o Instituto Médico-Legal da capital. Apesar do susto, a apresentadora não se feriu.
De acordo com a Polícia Militar, a confusão aconteceu em um quarto do Hotel Caesar Business, no bairro Belvedere, região Centro-Sul da capital mineira. Ana Hickmann está na cidade para participar de um evento.