Clientes denunciam cartel nas auto escolas de Itaúna/MG

Os jovens ficam eufóricos para a chegada do tão esperados 18 anos. Tal expectativa muita das vezes é para se aptos a possuírem uma CNH – Carteira Nacional de Habilitação – mas, tem também aqueles que já são mais vividos e ainda não tem a sua.

Para serem habilitados os candidatos devem se submeterem a exames, avaliações, aulas e para isso precisam passar pelos Centros de Formação de Condutores, também chamados de auto escola.
Passar pelo o processo de aprendizagem é normal e esperado por todos.  O que os interessados em tirar sua carteira denunciaram ao jornalismo da Rádio Santana FM, foi que ao fazerem o orçamento nas auto escolas da cidade se depararam com os mesmos valores sendo cobrados por todas elas.
Para piorar a situação alguns relataram que os próprios funcionários já os alertavam, “Olha, não precisa nem fazer orçamento em outro lugar, os valores serão os mesmos”. E mais, ao iniciarem o processo de aprendizagem em um centro de formação e não gostarem do instrutor, bastaria apenas comunicar que poderiam ser transferidos para uma outra escola.
Detalhe a ser observado, a mudança do aluno de uma escola para outra, simplesmente pelo fato dele não ter se dado bem ou gostado do método de ensino do instrutor está sendo oferecido, porque a maioria dos centros de formação de condutores da cidade de Itaúna, pertencem a um mesmo grupo familiar. Ou seja, muda-se a escola, o instrutor, mas o dinheiro permanece no mesmo grupo. 
Não foi apenas o nosso jornalismo que recebeu estas reclamações, em contato com o Procon de Itaúna, conversamos com a Coordenadora Jurídica, Caroline Nogueira Lopes, que nos informou já ter o órgão recebido inúmeras reclamações com relação a pratica de cobrança do mesmo valor pela prestação de serviço das auto escolas. 
Essa prática caracteriza cartel, onde as pessoas perdem a opção de escolha de um valor que seja compatível com o seu orçamento. A coordenadora também informou, que devido as inúmeras reclamações, as denúncias já foram encaminhadas ao Ministério Público da cidade. Questionada sobre a penalidade que os centros podem estar sujeitos, Caroline, nos informou que neste caso cabe multa e uma reformulação de valores e que na próxima sexta dia 20 O Procon terá por parte da Promotoria de Justiça um posicionamento sobre esta questão.
A Santana FM, entrou em contato com uma das proprietárias de um dos centros de formação de condutores que nos informou que existe um valor teto para a comercialização das aulas mas que cada uma tem livre arbítrio para negociar com seus clientes e que nesta negociação os valores finais podem chegar a uma diferença de 40 a 50 reais em cada uma delas e que não há determinação ou acordo para se cobrar um mesmo valor entre elas. 

Fonte: Rádio Santana FM